Como Portugal está saindo do desconfinamento por Covid-19?

Portugal foi um caso exemplar na Europa de controlo da pandemia de Covid-19. E agora, que a contaminação entre a população é muito baixa, está começando novamente a economia e a regressar à normalidade. Mas existem regras para este desconfinamento do Covid-19, que a Comparamais nos ajudou a conhecer…

A tática de encerrar toda a economia deu frutos em Portugal no combate ao Covid-19, já que a tomada atempada de diversas medidas preventivas permitiu reduzir o número de contágios e mortes. Basta comparar os números lusitanos com os dos espanhóis, logo do outro lado da fronteira, para se perceber isso. Enquanto Portugal assinala 29.000 casos e 1200 mortes nos seus 10 milhões de habitantes, em Espanha se registam 231.000 infetados e 27.500 mortes para 50 milhões de cidadãos. Com a análise diária de casos a decrescer, Portugal começou no início de maio a fazer o desconfinamento da economia, num processo em três fases que a Comparamais nos ajudou a perceber.

“Não se pode falar em normalidade, mas apenas num relativo retomar da vida normal, considerando todos os cuidados para prevenir o contágio por Covid-19”. Isso significa, explica a Comparamais, que continua a existir a obrigação de andar de máscara ou viseira e com luvas, e continua a haver limitação de pessoas nos espaços. “Além disso existem outras medidas curiosas que estão sendo preparadas, como semáforos para controlar o número de pessoas que vão estar nas praias durante o Verão. Se o sinal estiver vermelho, é porque a praia tem lotação esgotada e não pode entrar mais gente”.

Fase 1 de desconfinamento

O desconfinamento dos portugueses começou logo no arranque de maio. Na primeira fase foram reabertos alguns dos negócios mais afetados pela crise, como os cabeleireiros, barbeiros, livrarias, stands de automóveis e cafés. “Mas, nos cafés até 200 m2 de área, continuou a ser permitido apenas o atendimento para clientes no exterior do espaço. E só podem estar cinco clientes, no máximo, nestes espaços em simultâneo”. Alguns serviços públicos do Estado reabriram também as suas portas no início de maio, mas apenas para utentes que fizessem marcação prévia da sua visita.

Com esta ligeira abertura do comércio, e com mais gente a circular, foram criadas também regras para os transportes públicos. “A lotação dos ônibus e trens ficou reduzida a 66% e todos os passageiros são obrigados a usar máscara. Caso contrário, serão multados pelas autoridades”. Apesar de tudo, para evitar ainda maior circulação de pessoas, o Governo decretou que todas as empresas que possam continuar em teletrabalho devem fazê-lo.

Também na vida comunitária continuam a existir regras preventivas. Por exemplo, não se pode estar em grupos com mais de 10 pessoas, e apenas familiares podem assistir aos funerais. Mas há boas notícias. Os portugueses também podem, desde o início de maio, voltar a fazer exercício físico ao ar livre e até a praticar desportos aquáticos nas praias. “Aliás, a ida às praias continuou a ser permitida apenas para passeios curtos ou fazer desportos como surf ou bodyboard”.

Fase 2 de desconfinamento

Duas semanas mais tarde, de forma a já ter dados concretos sobre a evolução da infeção com a abertura de mais espaços comerciais e pessoas a circular nas ruas, Portugal entrou numa segunda fase de desconfinamento. Entre as principais novidades para 18 de maio estão a reabertura dos restaurantes, embora ainda com lotação reduzida, e também o regresso das aulas. “A maioria dos alunos já não volta à escola este ano. Mas os estudantes do 11º e 12º anos, em preparação dos exames de ingresso na faculdade, voltam a ter aulas presenciais em algumas disciplinas. Mas as turmas foram divididas, para haver mais distanciamento entre estudantes, há regras de higiene a cumprir ao entrar na escola e é obrigatório estar de máscara”. Também as creches reabriram nesta data, mas a Comparamais explica que, para maior segurança dos pais, o Estado vai continuar até final do mês a garantir apoio ao salário dos pais que pretendam ficar a cuidar dos filhos pequenos em casa.

A abertura dos restaurantes é a principal medida desta segunda fase com impacto na economia. Com o setor paralisado há mais de dois meses, esta reabertura segue também regras bastante restritas. Em primeiro lugar, apenas podem abrir restaurantes com menos de 400 m2 de área. E mesmo assim a lotação destes espaços será reduzida. “A preocupação chega ao ponto de existir uma limitação de pessoas por mesa, e com a obrigação destas estarem com uma distância de 2 metros entre elas”.  Também na cultura há boas notícias. Começam também a reabrir diversos espaços, e nesta Fase 2 de desconfinamento volta a ser possível visitar museus, monumentos, galerias de arte e outros espaços.

Última fase de desconfinamento

Será no início de junho que Portugal volta a uma relativa normalidade pós-Covid. Nesse momento, vão reabrir as Lojas de Cidadão, espaços onde estão concentrados diversos serviços do Estado. E as lojas com mais de 400 m2 e inseridas em centros comerciais vão também voltar a abrir portas. Os restantes serviços de apoio às famílias para cuidar dos filhos, além das creches, vão também ter ordem de abertura nessa data. E os cinemas, salas de espetáculo e outros equipamentos culturais para mais pessoas vão também voltar à atividade.

Também no mundo do trabalho existem mais alterações. As empresas que foram obrigadas a permanecer em teletrabalho podem voltar ao escritório, mas com recomendações para o seu funcionamento. Um dos conselhos passa por dividir a força de trabalho, que deve apenas estar nas instalações em horários rotativos, para evitar a aglomeração de pessoa nos espaços.

Esta terceira e última fase de desconfinamento traz também outra novidade: o regresso do futebol da primeira divisão. Enquanto as restantes modalidades e escalões mais baixos do futebol terminaram, a 1ª Liga Portuguesa começa no início de junho a disputar as 10 jornadas que restam do campeonato. Mas com condições muito especiais. Os atletas, que já começaram a ser testados quando regressaram aos treinos em maio, vão ser testados por diversas vezes para garantir que não existe contágio entre eles. E as bancadas vão estar despidas de público, pois apenas os membros dos staffs e a comunicação social vão poder aceder ao interior do estádio.

Quem não pode ainda regressar à atividade?

Como referido, este plano de desconfinamento é apenas um regresso parcial à normalidade. E, em alguns setores já são certas restrições por períodos superiores. A Comparamais recorda que “os festivais de música e cultura, que movem milhares de pessoas durante o Verão, estão proibidos até ao final de setembro”. E outros setores também vão continuar em suspenso.

“Não existe ainda data para o regresso dos voos ou abertura das fronteiras, o que significa que o turismo vai continuar limitado aos clientes nacionais”. Além disso, como já referido, as idas às praias durante as férias também vão acontecer num cenário muito diferente do habitual.

Há mais questões que se continuam a levantar e que a especialista em comparação de preços destaca. “É verdade que existe um plano de desconfinamento, mas com regras muito específicas. Quando será possível aos restaurantes reabrir com máxima capacidade, evitando que continuem a ter parte dos trabalhadores em lay-off? Ou quando se poderá novamente assistir a um jogo de futebol no estádio, ou apenas com os amigos numa esplanada? E quando se vai poder andar sem máscara nas lojas ou transportes públicos?”. Portanto, falta ainda saber estas situações e outras que continuam a levantar dúvidas.

A Comparamais recorda que, provavelmente, até que exista uma vacina ou o Covid-19 desapareça totalmente (sem contágios entre cidadãos) não se deve voltar a ter uma vida normal como antes. E permanece no ar o perigo de um ressurgimento de grandes taxas de contágio e uma segunda vaga do coronavírus, que obrigue a voltar tudo para a estaca zero. “Mas, pela saúde mental das pessoas que começava a ser afetada com muito tempo de confinamento, e pela saúde da economia que precisa de voltar ter movimento, este desconfinamento com regras é uma excelente notícia para Portugal”.