Vacina antirrábica estará disponível em 11 postos da sede do município de Caarapó – Divulgação

O Departamento de Vigilância Sanitária de Caarapó realiza no próximo sábado (9) vacinação antirrábica para cães e gatos. A campanha será realizada na sede do município entre as 8h e as 16h30 em onze postos de vacinação.

De acordo com comunicado do órgão, a vacina estará disponível nas Unidades de Saúde ESF I, II, IV e V, antigo Clube dos Trabalhadores, Escola Municipal Rui Barbosa, Escola Estadual Arcênio Rojas, Escola Estadual Joaquim Vianna, Sal Minuano, Praça Central e Escola Municipal Cândido Lemes. É necessário levar a carteirinha de controle de vacina do animal.

A raiva

A raiva é uma doença infecciosa viral aguda, que acomete mamíferos, inclusive o homem, e caracteriza-se como uma encefalite progressiva e aguda com letalidade de aproximadamente 100%. É causada pelo vírus do gênero Lyssavirus, da família Rabhdoviridae.

A enfermidade é de extrema importância para saúde pública, devido a sua letalidade de aproximadamente 100%, por ser uma doença passível de eliminação no seu ciclo urbano (transmitido por cão e gato) e pela existência de medidas eficientes de prevenção, como a vacinação humana e animal, a disponibilização de soro antirrábico humano e a realização de bloqueios de foco, entre outras. É transmitida ao homem pela saliva de animais infectados, principalmente por meio da mordedura, podendo ser transmitida também pela arranhadura e/ou lambedura desses animais.

O período de incubação é variável entre as espécies, desde dias até anos, com uma média de 45 dias no ser humano, podendo ser mais curto em crianças. O período de incubação está relacionado à localização, extensão e profundidade da mordedura, arranhadura, lambedura ou tipo de contato com a saliva do animal infectado; da proximidade da porta de entrada com o cérebro e troncos nervosos; concentração de partículas virais inoculadas e cepa viral.

Nos cães e gatos, a eliminação de vírus pela saliva ocorre de dois a cinco dias antes do aparecimento dos sinais clínicos e persiste durante toda a evolução da doença (período de transmissibilidade). A morte do animal acontece, em média, entre 5 e 7 dias após a apresentação dos sintomas.

Não se sabe ao certo qual o período de transmissibilidade do vírus em animais silvestres. Entretanto, sabe-se que os quirópteros (morcegos) podem albergar o vírus por longo período, sem sintomatologia aparente.