Uso de cloroquina ou hidroxicloroquina é decisão do médico, diz SES

A Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul (SES) informou nesta sexta-feira (22) que é uma prerrogativa reservada ao médico e que depende da aceitação do paciente, a utilização ou não da cloroquina ou hidroxicloroquina no tratamento contra a covid-19.

A SES diz que não possui um protocolo de atendimento aos pacientes da doença e que essa sistemática é das instituições hospitalares que fazem o atendimento as pessoas infectadas. Ainda de acordo com a secretaria, não houve mudança sobre o uso da cloroquina ou hidroxicloroquina no estado após o Ministério da Saúde liberar medicamentos em casos leves, porque não tem orientação sobre o assunto.

Segundo a SES, a cloroquina adquirida pelo estado foi destinada a trabalho científico no Hospital Regional de Campo Grande e no Hospital Universitário da capital, além de também enviados para municípios do interior.

O presidente Jair Bolsonaro defende o uso da cloroquina no tratamento da doença causada pelo novo coronavírus. Mas não há comprovação científica de que esse remédio seja capaz de curar a Covid-19. Estudos internacionais não encontraram eficácia no medicamento, e a Sociedade Brasileira de Infectologia não recomenda a utilização. O protocolo da cloroquina foi motivo de atrito entre Bolsonaro e os últimos dois ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. No intervalo de menos de um mês, os dois deixaram o governo. (Com G1-MS)