Aos que cuidam de nossa saúde, por Rosa Floriano

Rosa Floriano é colunista do agoraMS, na área Ambiental – Divulgação

Uma data a ser lembrada neste momento é o Dia do Serviço de Saúde que será celebrado como em todos os anos em 27 de maio. Esta data também é conhecida como Dia do Serviço de Saúde do Exército, uma homenagem ao Patrono do Serviço de Saúde do Exército Brasileiro, João Severiano da Fonseca, que nasceu em 27 de maio de 1836. Esse decreto de lei nº 2.497, de 16 de agosto de 1940, formaliza o título atribuído ao General Dr. João Severiano da Fonseca como “Patrono do Serviço de Saúde do Exército”. Atualmente, a palavra mais lembrada a todo momento é saúde. não, e é um momento de se reverenciar os profissionais civis e militares que estão sob risco próprio se empenhando em garantir um atendimento e serviço de saúde com qualidade e dignidade, da mesma forma as forças de segurança pública devem ser lembrados.

No Brasil, por mais problemas que apresente e por mais imbricado que esteja com o setor privado, o SUS ainda é um sistema de saúde de interesse público para todos os brasileiros. Nenhum outro país desse tamanho tem sistema público para todos. O SUS é reconhecido pela OMS como o maior sistema público de saúde do planeta. Portanto, o SUS é nosso e precisa e vai ser melhorado.  Entretanto o Ministério da Saúde atualizou, na noite deste domingo (24), os dados sobre a pandemia do novo Coronavírus no Brasil o país. Até o momento, são 22.666 óbitos registrados, 363.211 casos confirmados e 149.911 recuperados da doença.

É necessário que os gestores, tanto municipais quanto estaduais e federais pensem em medidas que possam ajudar a manter o setor produtivo e empresarial funcionando quando e até o período de isolamento acabar. Sabemos que é necessário que o isolamento aconteça neste momento, pois precisamos combater o avanço rápido do Coronavírus em nosso meio. Mas precisa não esmorecer ao adotar medidas que possam proteger o setor produtivo e empresarial e a manutenção de emprego das pessoas, principalmente os de baixa renda.

Da diarista até o guarda municipal devem estar com confiança no futuro. Sabemos que, durante esse período que as atividades estão paradas, haverá perdas que devem ser minimizadas pelo Governo. Não podemos correr o risco de termos que encerrar com as atividades dos diversos setores, pois os estragos serão muito prejudiciais a economia do Estado. Achei interessante a frase dita nesse sábado, em uma entrevista, durante uma live transmitida pelo facebook, pelo advogado Alan Aquino Guedes de Mendonça “Vamos falar de eleições quando for para falar de eleições, agora é hora de falar de vidas”. Eu compactuo com essa ideia. É hora de todos juntos, cada um a seu modo, e na sua condição arregaçarmos as mangas e lutar pelas nossas famílias. Porque família forte e estruturada faz uma comunidade segura e de comunidades conscientes se faz um país robusto, sempre com máscara no rosto e lembrando da preservação ambiental, vamos cuidar um dos outros e ajudar aos profissionais de saúde nessa batalha.