Indícios da morte de Marielle Franco apontam para execução – Reprodução Facebook

A vereadora carioca Marielle Franco (Psol), uma conhecida ativista do movimento negro e crítica da violência policial no Rio de Janeiro, foi assassinada a tiros na noite desta quarta-feira (14).

Marielle, 38 anos, estava dentro de um carro no bairro de Estácio, centro da capital fluminense, quando criminosos emparelharam outro veículo e abriram fogo. O motorista do automóvel onde estava a vereadora, Anderson Pedro Gomes, também morreu. Já uma assessora de Marielle foi atingida apenas por estilhaços e sobreviveu. Ela prestou depoimento pouco depois da meia-noite.

As características do crime – uma emboscada sem roubo – apontam para a hipótese de execução, que é a principal linha de investigação da polícia. Ao menos nove cápsulas de bala foram achadas ao lado do carro da vereadora, que voltava de um encontro com jovens negras.

O deputado estadual do Psol Marcelo Freixo foi ao local do crime e disse que não sabia de nenhuma ameaça contra Marielle, mas ressaltou que as características de execução são “muito nítidas”.

Nascida e criada na favela da Maré, Marielle foi a quinta vereadora mais votada nas eleições municipais de 2016, com 46.502 votos. Nos últimos dias, postou mensagens nas redes sociais denunciando a violência policial no Rio.

“Mais um homicídio de um jovem que pode estar entrando para a conta da PM. Matheus Melo estava saindo da igreja. Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?”, escreveu no Facebook. Ela também chamou o 41º Batalhão da Polícia Militar de “Batalhão da Morte” por causa de denúncias de crimes no bairro de Acari.

Marielle também era crítica da intervenção militar do Governo Federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

Da AnsaFlash