Venezuelana de 63 anos é a primeira suspeita de morte por coronavírus em Campo Grande

Idosa foi levada à UPA Leblon – Arquivo/Midiamax

Uma venezuelana, de 63 anos, morreu na noite desta sexta-feira (20) com suspeita de coronavírus, em Campo Grande. Ela estava hospedada em uma casa na Vila Piratininga e tinha histórico de doença respiratória, pneumonia e hipertensão. O caso está sendo investigado pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde). As informações são do Midiamax.

Segundo informações do Boletim de Ocorrência, a idosa era de origem estrangeira e teria passado mal durante o banho, na última sexta-feira (20), por volta de 21h40. Ela teria sido levada à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro Leblon, dando entrada às 22h com dor torácica.

Em conversa com os familiares da vítima, eles informaram que a vítima tinha histórico de doença respiratória, pneumonia, hipertensão. O óbito foi constatado pelo médico de plantão, 45 minutos depois da equipe de saúde tentar reanimar a idosa.

Ainda segundo o registro policial, foi colhido material para exame por se tratar de um caso suspeito de COVID-19. A idosa estava pelo menos desde janeiro em Campo Grande, vinda da Venezuela, mas não especifica se teria chegado direto em Campo Grande ou em outra cidade de MS. Ela não falava português.

De acordo com a Sesau, o caso é tratado como suspeito, pois a mulher já tinha problemas respiratórios, o que pode ser confundido com Coronavírus.

Veja resposta da secretaria na íntegra. “Foi feita a necropsia e coleta de swab, que é o exame específico dessa paciente, porém entra como investigação. No momento não há nenhum óbito confirmado em Campo Grande. Devem aguardar o resultado do exame para controlar se ela tinha ou não Covid-19. Ao que foi relatado ela tinha histórico de doença respiratória, o que nesse momento pode se confundir com a doença”.