Reinaldo destaca a união e solidariedade para ampliar atendimento no Hospital de Câncer

Governador participou da solenidade de posse do novo presidente do Hospital de Câncer de Campo Grande Alfredo Abrão, Cláudio Osório Machado - Foto: Chico Ribeiro
Governador participou da solenidade de posse do novo presidente do Hospital de Câncer de Campo Grande Alfredo Abrão, Cláudio Osório Machado – Foto: Chico Ribeiro

Ao participar da solenidade de posse do novo presidente do Hospital de Câncer de Campo Grande Alfredo Abrão, Cláudio Osório Machado, o governador Reinaldo Azambuja reafirmou a necessidade da união de esforços para assegurar o atendimento aos pacientes com câncer no Estado. “É difícil e penosa essa luta contra essa doença, e para isso é importante a solidariedade, o empenho do Governo do Estado, da Prefeitura e as emendas parlamentares”, afirmou ao lembrar que, graças a essa integração, o Hospital de Câncer conseguiu superar as dificuldades e ampliar o atendimento.

Reinaldo Azambuja citou um exemplo de como essa participação foi importante para manter e ampliar o atendimento aos pacientes com câncer. “Até o final do mês a tomografia computadorizada estará funcionando. Resultado da emenda parlamentar do deputado Geraldo Resende e contrapartida do Governo do Estado”, afirmou. Ele enfatizou que a administração estadual vai continuar colaborando para que a direção do hospital possa concluir o novo prédio, com nove andares.

O governador lembrou também, que foi graças a essa integração que conseguiu trazer para o Hospital de Câncer de Campo Grande o acelerador linear que, inicialmente, seria destinado a um hospital de outro Estado. A previsão é de que o bunker onde o equipamento será instalado fique pronto nos próximos meses e o atendimento de radioterapia comece a ser feito até o final do ano.

No discurso de posse, o novo presidente do Hospital de Câncer de Campo Grande enfatizou que no período de 1994 a 2015, o valor pago ao hospital pelos atendimentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) foi corrigido em 94%, infinitamente inferior ao reajuste de produtos e serviços usados no hospital, como energia e água, por exemplo, que tiveram, nesse período, aumento próximo de 1000%. Segundo Cláudio Machado, é por isso que o Hospital necessita da ajuda dos voluntários, do poder público, da sociedade e das doações.

Machado ocupava a diretoria financeira no período em que o Hospital era presidido por Carlos Coimbra, de março de 2013 a julho de 2017. Ao transferir o cargo, Coimbra fez um balanço do trabalho realizado pela diretoria por ele comandada. Quando assumiu, em 2013, foram realizados 109 mil procedimentos, enquanto em 2016 o total de atendimentos chegou a 190 mil.

Carlos Coimbra lembrou do desafio de recuperar a credibilidade e as finanças do Hospital, alvo de operação da Polícia Federal e Ministério Público Federal em 2013. No discurso de despedida, ele lembrou que quando assumiu havia 65 funcionários no call center que captaram R$ 120 mil em doações. “Hoje, com 35 funcionários chegamos a arrecadar R$ 261 mil em doações. Ou seja, com menos funcionários, conseguimos aumentar as doações”, afirmou. Coimbra continua no Hospital de Câncer, mas como integrante do Conselho Curador.

Também participaram da solenidade a primeira-dama Fátima Azambuja, os deputados estaduais Amarildo Cruz e Maurício Picarelli, os secretários de Saúde, Nelson Tavares (Estado), e Marcelo Vilela (Município), o desembargador do Tribunal de Justiça, Alexandre Bastos, a conselheira do Tribunal de Contas do Estado, Marisa Serrano, vereadores da Capital, funcionários do Hospital e voluntários.

Durante a solenidade, foram entregues duas doações ao Hospital de Câncer de Campo Grande Alfredo Abrão. Uma Van doada pela Associação Anjos da Guarda e R$ 21 mil arrecadados pelo grupo Amigos do Ruy Daniel.