Quilombo São Miguel, em Maracaju, dá exemplo de agricultura familiar

São mais de 66 famílias vivendo única e exclusivamente da agricultura familiar no Quilombo – Assessoria

O Quilombo São Miguel hoje tem cerca de 66 famílias e mais de 200 pessoas entre adultos, idosos e crianças, vivendo única e exclusivamente da agricultura familiar. O Quilombo dá exemplo de como é possível em um pequeno pedaço de terra tirar o sustento de toda a comunidade e ainda abastecer o mercado consumidor fazendo a diferença na vida dos moradores.

Mas isso só se tornou possível, segundo os próprios moradores, graças à parceria desenvolvida entre a comunidade e o poder público.

A prefeitura municipal em parceria com a Agraer, Sindicato Rural e outros órgãos atende a mais de 200 famílias de pequenos produtores no município, através de curso de manejo e plantio de hortifrutigranjeiros, pomares, hortaliças, criação de pequenos animais, apicultura e piscicultura.

Além disso, a inclusão de produtos da agricultura familiar na merenda escolar, onde a lei determina 30% de aquisição, Maracaju compra 70%, mais de meio milhão por ano em produtos, e buscou outra alternativa criando três feiras livres de vendas dando toda a infra-estrutura necessária aos produtores.

As famílias do Quilombo que estão escritos nos programas comercializam cenoura, beterraba, couve flor, cebolinha, mamão, mandioca, pamonha, mel, doce em compota, são mais de 12 produtos produzidos e comercializados.

Maria Lucia deixou a sala de aula onde lecionava para se dedicar a pequena propriedade, hoje ela planta de tudo um pouco, já aumentou a área de produção, e em três anos participando dos programas ela disse que a vida mudou para melhor, trabalha direto com a terra acabou o estresse. “Tudo que produzo vendo, aumentei a casa e comprei uma moto, saúde melhorou o que mais eu quero, estou super feliz”, disse.

Frederico Felini, Secretário de Governo, em companhia do Diretor do Departamento Técnico da Prefeitura, Eloar Castelaci, foram até o Quilombo e acompanharam por um dia a rotina e o trabalho daqueles que vivem da terra em suas propriedades. Entre uma horta e outra, um produto e outro, perceberam no rosto e olhar daqueles que produzem, sabendo que tem mercado garantido e na conta no final do mês o dinheiro, que a alegria é grande e a vontade de produzir maior ainda.

Segundo o presidente da Associação de Moradores do Quilombo São Miguel, Jorge Henrique Gonçalves Flores, agora dá é gosto morar aqui. “Acabou o tempo de ‘vacas magras’, aqui o que planta colhe, vende e recebe. As famílias estão voltando à terra, nos últimos 2 anos mais de 20 famílias voltaram, estão produzindo e feliz. Mas é graças a essa parceria, pois sem a parte técnica, sem os cursos, sem estrada boa e a certeza da venda na merenda escolar, não conseguiria nada, agora graças a Deus aqui no Quilombo tem muito trabalho, mais tem também muita alegria”, disse Jorge.

Secretário de Governo, Frederico Felini, falou do esforço da atual administração em manter as parceria, mas que vão continuar. “É emocionante, você fica até sem palavras, tem que vir e conhecer o trabalho deles, o amor o carinho com a terra e como produzem, aquilo que o prefeito Maurílio sempre falou, vamos dar oportunidade para que eles possam ficar na sua terra e produzir e isso que eles sabem e gostam de fazer, e estamos fazendo a nossa parte, fiz um compromisso com eles de conseguir um caminhão para que eles possam participar das feiras livres em Maracaju, vendendo o excedente e melhorando ainda mais sua economia e a qualidade de vida”, disse Frederico.

Secretário ainda lembrou outros investimentos e parcerias que estão sendo realizados junto à comunidade quilombola, como patrulha mecanizada entregue, que é composta de um trator, uma grade, uma calcareadeira, uma concha e um encanteirador, foi um pedido feito pelo prefeito Maurílio Ferreira Azambuja à deputada federal Teresa Cristina e à senadora Simone Tebet, investimento em casas populares, 800 mil em perfuração de poço artesiano e instalação de rede de água tratada através da Funasa. Cozinha industrial que será instalada, aquisição de um caminhão para transporte de produtos para as feiras livre em Maracaju.