Home Internacional ‘Paciente zero’ de Covid-19 veio de mercado em Wuhan, diz estudo

‘Paciente zero’ de Covid-19 veio de mercado em Wuhan, diz estudo

Wuhan foi o primeiro local em que um surto da Covid-19 foi registrado – Foto: STR / AFP

O primeiro caso de Covid-19 identificado em Wuhan, na China, teria sido, na realidade, o de uma vendedora que trabalhava em um mercado de animais da cidade, e não de um homem contador que nunca havia estado no local e morava a quilômetros de distância, como foi relatado em um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Essa é a conclusão de um estudo do virologista americano Michael Worobey, publicado na revista científica Science nesta quinta-feira (18), e reacende o debate sobre as origens da pandemia.

De acordo com o pesquisador, os dados, associados à análise dos primeiros casos do coronavírus Sars-CoV-2 em Wuhan, mostram que a origem do vírus é provavelmente animal.

Worobey, especialista em rastrear a evolução de diferentes vírus na Universidade de Arizona, observou discrepâncias entre as informações públicas disponíveis e criou uma linha do tempo dos primeiros casos, compilando-os a partir de várias fontes, como notícias de jornais, dados de hospitais e entrevistas realizadas na China.

A partir disso, o virologista apontou que sua pesquisa “fornece fortes evidências a favor da origem da pandemia a partir de um animal vivo” nesse mercado. De acordo com ele, as autoridades sanitárias alertaram sobre casos de uma doença suspeita vinculada ao local a partir de 30 de dezembro de 2019, o que levou à identificação de mais infecções no mercado do que em outros locais.

Worobey argumenta que os laços da vendedora com o Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan, bem como uma nova análise das primeiras conexões dos pacientes hospitalizados, sugerem fortemente que a pandemia começou ali.

“Nesta cidade de 11 milhões de habitantes, metade dos primeiros casos está ligada a um lugar do tamanho de um campo de futebol”, disse Worobey. “É muito difícil explicar esse padrão se o surto não tiver começado no mercado.” O pesquisador criticou a pesquisa da Organização Mundial da Saúde, em especial pelas datas. Além de o primeiro caso citado pela OMS não ter relação com o mercado, o paciente foi registrado como doente a partir de 8 de dezembro, no entanto, os primeiros sintomas só apareceram em 16 de dezembro, de acordo com Worobey. A mulher indicada pelo pesquisador, por sua vez, adoeceu em 11 de dezembro.

Apesar das diversas pesquisas, até hoje não se sabe se o Sars-CoV-2 fez o chamado “salto de espécies”, saindo do mundo selvagem e infectando com eficiência os humanos, e qual o animal que teria sido esse “vetor”; ou se o vírus escapou acidentalmente de um laboratório de alta segurança de Wuhan.

A única certeza que as equipes que foram à China tiveram é que o coronavírus que causa a Covid-19 não é fabricado artificialmente.

Da AnsaFlash

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UM COMENTÁRIO/RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Definição de Cookie

Abaixo você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FuncionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalíticoNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de otimizar a usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e FaceBook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AnúnciosNosso site pode utilizar cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosAlgum conteúdo publicado em nosso site pode incluir cookies de terceiros e de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.