No Dia da Pizza, criatividade dá origem a novas versões da iguaria 

O Dia Nacional da Pizza, comemorado nesta sexta-feira (10), é uma data que costuma lotar salões de restaurantes e agitar o forno das pizzarias de São Paulo. Porém, com a pandemia do novo coronavírus, além de oferecer descontos, os estabelecimentos tentam se reinventar para atrair a clientela em meio à grande concorrência nos aplicativos de delivery.

Pizzarias passaram a servir calzone no almoço, criaram menu degustação e cardápios eletrônicos, por exemplo.

Mesmo com a reabertura gradual no setor de restaurantes e bares, que começou nesta segunda-feira (6), após a capital se manter uma semana estável na fase amarela do Plano São Paulo, as pizzarias não podem abrir à noite. Além de seguir os protocolos sanitários, os locais também devem respeitar a ocupação máxima de 40% e o horário fixo da abertura para o consumo local, das 11h às 17h.

Com a restrição de horários, as pizzarias continuam funcionando apenas por meio de retiradas ou entregas a domicílio, sejam elas realizadas por meios próprios ou por motoristas de aplicativos.

“O maior desafio que encontramos, e acreditamos que todos estejam passando por isso nesse momento, é o de conseguir se sobressair no serviço de delivery, já que com a pandemia todos os restaurantes passaram a funcionar apenas assim”, diz Felipe Ebone, gestor da Bello Bello Pizzas.

A pizzaria da família Ebone foi inaugurada em 26 de fevereiro, menos de um mês antes do prefeito da capital paulista, Bruno Covas, decretar estado de emergência devido à pandemia da Covid-19, que paralisou o atendimento presencial nos restaurantes. Porém, o negócio já iniciou seus trabalhos com uma logística voltada apenas para delivery, em um modelo conhecido como “Dark Kitchens”, as “Cozinhas Fantasma” (estabelecimento de serviço de alimentação que oferece apenas comida para viagem).

Para Ebone, se comunicar visualmente pelas redes sociais e criar experiências novas para os clientes são táticas que têm dado resultado no negócio. Foi isso o que inspirou a pizzaria de sua família a criar um menu degustação, para que os clientes possam comemorar o Dia da Pizza em suas casas e, ao mesmo tempo, experimentar novos sabores.

No caso da Carlos Pizza, a solução encontrada para enfrentar o período da pandemia foi a criação de um cardápio de almoço, apostando na venda de calzones – uma espécie de pizza fechada, no formato de meia lua –, de sanduíches e de almondegas, assim como na criação de novos sabores de pizza.

Luciano Nardelli, sócio do estabelecimento, conta que com as adaptações e os investimentos no sistema delivery, a pizzaria está conseguindo obter 30% do faturamento total que tinha antes da pandemia. Segundo ele, o modelo de entrega domiciliar, que significava 15% da receita do negócio, ainda representará uma parte significativa durante alguns meses após a liberação da reabertura noturna dos restaurantes, algo de cerca de 70%.

“Acho que a gente tem uma sorte ainda, porque o nosso negócio, pelo fato de ser pizzaria, o delivery tem aumentado”, diz Nardelli. “Muitos lugares não fizeram delivery, não tinham como fazer delivery e a pessoa acaba fechando. Muito triste ver isso”, relata.

Para a futura retomada dos atendimentos presenciais, a Carlos Pizza já está criando algumas adaptações no seu espaço físico, com o intuito de passar uma maior sensação de segurança para os clientes. Uma delas é a substituição de cardápios físicos por eletrônicos. Esses poderão ser acessados por meio da leitura de QR codes fixados nas mesas, que podem ser feitas por qualquer smartphone.

“Você tem que estar muito atento, ser muito ágil pra se reinventar, pra fazer um produto, pra fazer ajustes. Acho que isso é um pouco da lição que nos deixa esse momento”, afirma Nardelli.

Do G1

DEIXE UM COMENTÁRIO/RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui