Geraldo Resende em audiência com Ministro da Saúde para pedir apoio na solução de problemas da alta complexidade em Dourados - Divulgação
Geraldo Resende em audiência com Ministro da Saúde para pedir apoio na solução de problemas da alta complexidade em Dourados – Divulgação

Problemas na gestão anterior pode inviabilizar os serviços de oncologia, hemodinâmica e cirurgias cardíacas do município. Usuários do Sistema Único de Saúde podem ser prejudicados com a interrupção do atendimento

O deputado federal Geraldo Resende (PSDB) esteve em audiência com o ministro da Saúde Ricardo Barros nesta quarta-feira (19), em Brasília. Resende solicitou o envio de uma equipe técnica do Ministério para Dourados com o objetivo de verificar a situação da Alta Complexidade em Saúde. O parlamentar relatou problemas herdados da gestão municipal anterior, que podem impactar na oferta de serviços nas áreas de oncologia, terapia renal substitutiva (hemodiálise) e cirurgia cardíaca.

Para Geraldo, “existe um iminente risco nos serviços de saúde de alta complexidade em Dourados, que poderá impactar uma população de cerca de 1 milhão de habitantes na Grande Dourados e que dependem diretamente do atendimento prestado pelo Sistema Único de Saúde através da rede hospitalar conveniada do município”, alertou Geraldo Resende.

O parlamentar apresentou o problema ao Ministério da Saúde e ao Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde (Denasus). “Fui prontamente atendido pelo ministro da saúde, que se mostrou sensibilizado e preocupado com tudo que foi relatado. Dentro das próximas semanas será enviada uma equipe técnica do Ministério para acompanhar os serviços de Alta Complexidade em Dourados e apontar sugestões para a atual gestão”, explicou Geraldo Resende.

Um dos problemas relatados por Geraldo ao ministro é referente cardiologia. “Os cirurgiões Roberto Galhardo, Marcos Cantero, Luiz Fernando Tirole e João Luiz Fonseca estão de mudança para a cidade de Londrina, no Paraná, fator que deixará o município referência para 34 outras cidades da região sem equipe de cirurgia cardíaca. Eles já trabalhavam sem a devida contratualização, desde a gestão anterior”, completa.

Outro grave problema que o deputado apresentou ao ministro Ricardo Barros é referente aos pacientes com câncer. “O serviço de Oncologia que foi prestado até o dia 14 de julho pela excelente equipe de oncologistas do Hospital Evangélico de Dourados foi desestruturado e descredenciado. Com isso, a Oncologia foi transferida para o Hospital Cassems, sabidamente sem infraestrutura física e sem recursos humanos para assegurar atendimento aos pacientes do Sistema Único de Saúde”, alertou o parlamentar.

O deputado federal Geraldo Resende também alertou o Ministério da Saúde para os problemas na área de Terapia Renal Substitutiva, nos setores de Hemodiálise e Hemodinâmica mantidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Dourados tem hoje apenas 190 vagas para atender pacientes renais crônicos de 35 municípios da macrorregião, tanto que outros 15 pacientes de Dourados estão sendo obrigados a viajar mais de 240 quilômetros (ida e volta) para serem submetidos à sessão de hemodiálise no município de Ponta Porã”, explicou.

Hospital Regional

O ministro da Saúde Ricardo Barros garantiu ao deputado Geraldo Resende a celeridade da tramitação para o primeiro pagamento da construção do Hospital Regional de Dourados (HR). A previsão é de que na semana que vem já deve ocorrer o repasse de recursos já empenhados, permitindo o início do processo licitatório. O HR será uma unidade especializada orçada em R$ 51 milhões entre recursos federais e estaduais, vai atender além da Região da Grande Dourados, o Conesul e a Faixa de Fronteira, ofertando UTI’s adulta e pediátrica, centro cirúrgico e pronto atendimento, totalizando 71 leitos em mais de 6 mil m² de área. “Esta é uma boa notícia para o futuro da saúde pública do sul do Estado”, finaliza Resende.