Joesley e Wesley Batista podem ter omitido informações sobre irregularidades em empréstimos do BNDES

Procurador da República Ivan Claudio Marx foi entrevistado com exclusividade por José Luiz Datena no programa “90 Minutos”

Joesley e Wesley Batista podem ter omitido informações sobre irregularidades em empréstimos do BNDES nas delações fechadas com o Ministério Público Federal. Foi o que disse o procurador da República Ivan Claudio Marx em entrevista exclusiva a José Luiz Datena no programa “90 Minutos”, da Rádio Bandeirantes FM 90.9 e AM 840.

Segundo ele, pode chegar a R$ 1 bilhão o prejuízo com uma operação que envolveu o banco e os empresários, além de outros membros da holding J&F, que controla a JBS. Em maio deste ano, foi deflagrada a Operação Bullish, que investiga fraude em aporte do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social para o grupo. Há indícios de fraudes cometidas por agentes públicos que representavam o BNDES para favorecer a JBS e, como os irmãos Batista sabiam, podem ser punidos.Ouça um trecho da entrevista

Responsável pela Operação Bullish, Ivan Claudio Marx crítica as normas do acordo que o procurador-geral da República fez com os empresários. Rodrigo Janot deu a garantia de imunidade penal para investigações em andamento e os delatores foram autorizados a sair do Brasil. Nas delações premiadas, por meio de Joesley e Wesley, a JBS admitiu ter favorecido quase dois mil políticos, mas não mencionou a negociação com o banco.Ouça um trecho da entrevista

Apesar da imunidade penal, o procurador da República Ivan Claudio Marx garante que as investigações vão continuar. Ele ressalta, no entanto, que, em razão do acordo que os irmãos Batista fizeram com o Ministério Público Federal, o trabalho ficou mais difícil.Ouça um trecho da entrevista

Durante nove anos, o BNDES emprestou mais de 10 bilhões à J&F para viabilizar a compra de outras companhias. As operações ajudaram o grupo a se transformar em líder mundial no mercado de proteína animal.

Assessoria Rádio Bandeirantes