Os interessados em apresentar trabalhos durante o ‘III Seminário Sul-Mato-Grossense em Educação, Gênero, Raça e Etnia’ e o ‘I Seminário Diálogos Transnacionais: Saberes Decoloniais, Lutas Antirracistas e Antipatriarcais’, tem até o dia 15 de novembro para preencher o formulário do evento. Para participar como ouvinte o prazo é dia 17 de novembro.

Os dois eventos são organizados pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), por meio do Centro de Estudo, Pesquisa e Extensão em Educação, Gênero, Raça e Etnia (CEPEGRE), e também pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), por meio do (Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB).

Os seminários serão entre os dias 19 e 22 de novembro, no mês alusivo à Consciência Negra (20 de novembro). Os eventos abordarão como temática: “Novas Formas de Enfrentamento do Racismo, Xenofobia e Discriminações Correlatas são Necessárias”.

Para se inscrever o investimento para graduando ouvinte é R$10, para graduando com apresentação de trabalho é R$15, para Pós-graduando e Professores da Rede ouvintes R$20 e para apresentar trabalho o valor é R$ 25. Para Professor do Ensino Superior e outros a inscrição como ouvinte é R$30, já com a apresentação de trabalho o investimento é de R$35,00. Estudantes do ensino médio e cotistas são isentos do pagamento da taxa de inscrição. Serão ofertados certificados. Saiba como se inscrever, aqui: http://eventos.sistemas.uems.br/pagina/p/iii-seminario-em-educacao-genero-raca-e-etnia-2018/inscricoes

A programação contará com palestras, minicursos, Simpósios Temáticos, oficinas, arte e debates. O objetivo é promover a discussão e a difusão de conhecimentos acerca das questões que envolvem a diversidade cultural, étnica, racial, das desigualdades entre mulheres e homens, mas também das masculinidades não hegemônicas e da diversidade sexual e de gênero (para além da matriz hétero (cis) sexual), as desigualdades econômicas e de nacionalidades.

Os eventos são coordenados pela Profa. Dra. Cintia Santos Diallo, que ressalta a importância do debate sobre o assunto.

“O cenário local e global de avanço do capital e do conservadorismo, bem como das formas mais perversas de exclusão, como da xenofobia, racismo e discriminações múltiplas, tem exigido dos segmentos democráticos a reflexão e construção de novas formas de resistências e enfrentamentos, que abarquem modos outros de produção de saberes e maneiras de ser, agir, existir e sentir gestadas a partir dos países Sul”.

A III edição do Seminário propõe debates sobre: Os saberes feministas; A produção de pesquisadores negras/os e indígenas em diversos áreas do conhecimento; Acesso e permanência no Ensino Superior; Corpo, racismo e direitos humanos; Religiões de matrizes africanas, entre outros.

Ainda segundo a docente, os Seminários se configuram como eventos de resistência num cenário conservador com o intuito de estimular no ambiente acadêmico e, para além dele, debates sobre os modos como os múltiplos marcadores da diferenciação e das desigualdades social, política, cultural e econômica, operam ou não de modo interseccional, na construção da geopolítica do conhecimento científico e suas epistemologias, na produção das violências, discriminações, exclusões de negros/a negras, mulheres, indígenas, Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais- LGBTQ+, imigrantes e populações empobrecidas.

Mais informações acesse:

http://eventos.sistemas.uems.br/pagina/p/iii-seminario-em-educacao-genero-raca-e-etnia-2018