O primeiro dia da Dinâmica Agropecuária (Dinapec), 7, que acontece em março na Embrapa em Campo Grande (MS) terá momentos dedicados a discussões, com a presença de especialistas e representantes de diversos segmentos da cadeia produtiva da bovinocultura de corte. Os debates são abertos ao público participante e gratuitos.

Um dos destaques é o Painel “Pecuária de Corte Sustentável: o que é bom tem que durar”, a ser realizado na tenda principal da Dinapec e terá Sérgio Raposo de Medeiros, pesquisador da Embrapa, como moderador. Para ele, o tema sustentabilidade é um assunto de interesse geral, pois “o que é insustentável não tem outro caminho a não ser acabar, sendo o “quando” apenas uma questão de tempo”.

Ao aprofundar o assunto, Medeiros comenta que ainda há produtores com aversão ao termo, associando-o a limitações na produção. Entretanto, em entendimento amplo, ao invés de limitar, a sustentabilidade é uma aliada. “E como seria isso? Uma propriedade rural sustentável se assenta sobre três pilares: ser lucrativa, ser socialmente justa e ser ambientalmente saudável. Ser sustentável é durar”, enfatiza o engenheiro agrônomo.

No Painel, ele terá a companhia de técnicos para buscar algumas respostas. A primeira é do também pesquisador da Embrapa, Ezequiel Rodrigues do Valle, para “Qual a relação das Boas Práticas Agropecuárias (BPA) – Bovinos de Corte com a sustentabilidade na pecuária de corte?”; seguido do médico-veterinário Marivaldo Miranda da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro-MS) para “Como o Programa Precoce MS pode colaborar para a sustentabilidade na pecuária de corte?”.

O produtor Ricardo Buonarotti da Fazenda Alvorada (MS) responderá sobre “O que o produtor precisa para ser sustentável? Compensa?”. Já o especialista em pecuária sustentável da WWF, Ivens Domingos, “Qual a visão da WWF sobre a sustentabilidade na pecuária de corte?” e, por fim, a coordenadora-executiva do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS) Beatriz Domeniconi sobre “Qual a contribuição do GTPS para a sustentabilidade na pecuária de corte?”.

Mais discussões – Ainda na quarta-feira (7), pela manhã, a agropecuária de baixo carbono – tema central do evento – estará em mesa redonda, transmitida ao vivo pelo Sistema Brasileiro do Agronegócio (SBA), direto da feira. A chefe adjunta de Transferência de Tecnologia da Embrapa Gado de Corte (MS) e uma das coordenadoras da Dinapec, Thaís Basso, ressalta que os assuntos em questão merecem debates exaustivos para somente assim construir conceitos maduros e conscientes.

Sobre a Dinapec – A realização da Dinâmica Agropecuária tem o apoio das seguintes instituições: Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (IAGRO), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (SEDESC), Fundo para o Desenvolvimento das Culturas de Milho e Soja de MS (FUNDEMS), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Fundação MS, Fundação Chapadão, Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária e Ambiental (Fundapam), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/MS), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Rede ILPF, Geneplus, Tramasul, Coimma, Companhia Nacional de Nutrição Animal (Connan), Sistema Brasileiro do Agronegócio e DBO. O patrocínio é da Associação para o Fomento à Pesquisa de Melhoramento de Forrageiras (Unipasto), do Banco do Brasil e do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com realização da Embrapa e Sistema Famasul.

A Dinapec é uma vitrine de tecnologias, que acontece anualmente na Embrapa em Campo Grande (MS), aberta a técnicos, produtores e acadêmicos, dispostos a conhecer as soluções tecnológicas desenvolvidas pela pesquisa agropecuária para os diversos sistemas de produção. O encontro visa compartilhar conhecimento e soluções para o agro nacional.