Cada saída de uma equipe de salvamento do Corpo de Bombeiros gera um custo médio de R$ 1.180,00 ao Estado – Assessoria

Os trotes para os números de emergência das forças de segurança de Mato Grosso do Sul, 190 (Polícia Militar) e 193 (Corpo de Bombeiros Militar), prejudicam os trabalhos de salvamento e trazem prejuízos aos cofres públicos.

Em 2018, o setor de estatística e planejamento do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), registrou 605.806 chamadas atendidas, das quais 2,80% eram tentativas de trote. Além de travar as linhas, a ação maldosa impede que o atendimento seja direcionado a quem de fato precisa dele. De janeiro a maio deste ano, já foram registradas 663 tentativas de trote.

A saída de uma equipe de salvamento do Corpo de Bombeiros para atender uma ocorrência de incêndio, por exemplo, gera um custo médio de R$ 1.180,00 ao Estado. Para se ter uma ideia, uma equipe de combate a incêndio em edificações ou residências, chamada de Trem de Socorro, é composta em média por 12 militares distribuídos em quatro viaturas, sendo uma de auto salvamento (AS), uma unidade de resgate (UR), um auto bomba tanque (ABT), e uma auto bomba rápido (ABR).

Em casos de ocorrências para atendimento de acidentes de trânsito, a equipe e o número de viaturas cai pela metade, e o custo aproximado é de R$ 615,00. Conforme a instituição, essa média de militares e viaturas por ocorrência, pode variar em alguns quartéis devido a demanda da cidade.

O Comandante do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso do Sul, Joílson Alves do Amaral, reforça a importância de que toda sociedade tenha consciência de que o trote pode impedir um salvamento real. “Não é só o prejuízo financeiro com a mobilização de toda uma equipe de salvamento, mas principalmente, a vida de outras pessoas que pode estar em risco enquanto alguém se diverte passando uma informação falsa” pontuou.

Outra ação que obstrui as linhas de emergência, são as ligações para pedidos de informações diversas. De acordo com o diretor do Ciops, delegado Marcos Takeshita, por serem números de fácil memorização, as pessoas ligam para pedir informação. Situação que também afasta o aparelhamento de segurança das ocorrências legítimas, comprometendo o serviço de segurança. No ano passado, 109.959 ligações recebidas pelo Ciops, eram para pedido de informação. Entre janeiro e maio deste ano, já foram contabilizadas 32.424.

A maioria das chamadas com intenção de trote são detectadas durante a conversa, pelas características típicas de comunicação e experiência dos atendentes. Conforme o Ciops, todos os telefones que realizam chamadas para o 190 ou 193, ficam registrados no sistema, e quando há necessidade é possível realizar investigação para responsabilizações.

O trote aos serviços de emergência é um crime previsto no Código Penal. Quando identificado, o autor é enquadrado no artigo nº 340 do Código Penal: falsa comunicação de crime ou de contravenção, cuja pena é detenção de um a seis meses ou multa.