Acelerador linear no Hospital de Câncer – Assessoria

Mantendo em dia os investimentos feitos na saúde de Campo Grande, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), concluiu mais um pagamento nessa terça-feira (16.07) no valor de R$7,3 milhões. A quantia é referente à quitação de diversos setores, incluindo Samu, Assistência Farmacêutica, UPA, etc. Parte do montante também foi destinada aos hospitais da Capital que estão com os aportes mensais regularizados.

Com o pagamento de ontem, somente para a Estratégia de Saúde da Família foi reservado mais de R$ 1 milhão. Já para o Hospital Universitário de Mato Grosso do Sul (HU) foram pagos R$ 300 mil que serão investidos em custeio de ações em saúde. Para o Hospital do Câncer Alfredo Abrão foi encaminhado R$ 650 mil e mais R$ 217 mil para o Hospital São Julião.

O Centro Especializado em Reabilitação e Oficina Ortopédica (CER) da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), que foi homologado recentemente como o Centro de Referência dos Ostomizados em Mato Grosso do Sul, recebeu, juntamente com o Instituto de Pesquisas, Ensino e Diagnósticos (IPED/APAE) e o projeto de Equoterapia também da APAE, o valor de R$ 423 mil.

Matéria publicada nessa terça-feira (16.07) pelo Portal do Governo do Estado revelou o valor pago entre janeiro e julho desse ano ao município de Campo Grande, incluindo alguns repasses em atraso. Foram mais de R$ 53,4 milhões para o setor de saúde da Capital destinados a serviços como SAMU, UPA, Agentes Comunitários de Saúde e de Combate a Endemias, além de hospitais como a Santa Casa, São Julião, Hospital do Câncer, entre outros.

Manter o aporte financeiro de acordo com o cronograma e regularizar pendências é o que têm feito Mato Grosso do Sul se destacar entre outros estados brasileiros, já que a situação financeira no país tem promovido situações onde custeio tem se tornando missão difícil de se cumprir.

Com o investimento na saúde, municípios conseguem proporcionar à população atendimento de qualidade. “Esse é o desafio proposto pelo governador Reinaldo Azambuja, cuja meta é possibilitar aos gestores municipais, que são os prefeitos e secretários municipais de Saúde, ofertarem uma saúde de qualidade aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS)”, explica o secretário Estadual de Saúde, Geraldo Resende.

Campo Grande é referência estadual para diversos serviços de alta complexidade e por isso há uma imensa procura por esses atendimentos, oriunda de todos os municípios. “Muitas vezes ocorrem superlotações em unidades de saúde da Capital. Estamos trabalhando para reorganizar a atenção básica e hospitalar a fim de que gradativamente boa parte desses usuários possam ser atendidos em seus municípios de origem”, ressaltou o secretário.