Em reunião com Sectur foi proposta a promoção de atividades durante todo o mês em que se comemora a Dia do Capoeirista.

O Fórum de Capoeira de Mato Grosso do Sul se reuniu com representantes da Sectur (Secretaria Municipal de Cultura e Turismo), juntamente com a Coordenadoria da Igualdade Racial de Campo Grande, com o objetivo de captar políticas públicas voltadas à atividade. Entre as propostas apresentadas estão: colocar a Capoeira dentro do calendário de eventos da secretaria, promover o Circuito Cultural de Capoeira e atividades durante no mês em que se comemora o Dia do Capoeirista, em 3 de agosto.

O coordenador geral do Fórum de Capoeira de MS, André Luiz, explica qual a importância do desenvolvimento da atividade em nossa sociedade. “Grupos importantes de Capoeira fazem trabalhos na periferia, com práticas sociais, tirando meninos e meninas das ruas, do envolvimento com drogas e violência, sem qualquer apoio por parte da Prefeitura Municipal e Governo do Estado. Esses trabalhos culturais são muitas vezes desconhecidos pelas pessoas e nossa proposta é de que a sociedade tenha acesso mais direto a eles. As aulas de Capoeira são enriquecedoras, pois além de conhecerem e entenderem o que é, os alunos podem descobrir a história cultural por trás de tudo isso”, destaca.

Para ele, os editais promovidos pelo Município e Estado direcionados à cultura, não são suficientes para dar maior visibilidade e aproximar a população de algumas práticas esportivas, como a Capoeira. “Pessoas físicas e jurídicas podem apresentar seus projetos para concorrer, mas na maioria das vezes ficam de fora de recursos voltados exclusivamente para estes fins. O que Mato Grosso do Sul precisa é que a cultura seja mais constante, de fácil acesso e que seja amplamente divulgada”, ressalta.

A ideia principal do Fórum é fazer com que a Capoeira esteja tanto nos espaços públicos como privados, como forma de aproximá-la à sociedade. No encontro, também foram demandados incentivos para a realização de aulas e seminários de Capoeira. “Nos grupos espalhados pelos bairros da cidade, por exemplo, temos profissionais preparados. É importante fazer com que a população procure as academias e os mestres”, salienta.

A Sectur se prontificou a elaborar um edital entre março e abril para os eventos propostos.  “A Sectur e a Coordenadoria da Igualdade Racial de Campo Grande foram as únicas que abriram as portas para que fossemos ouvidos e pudéssemos apresentar uma agenda de eventos. Estamos esperançosos porque a maior beneficiada é a sociedade. O Fórum quer que o cidadão esteja mais próximo dessa cultura que é genuinamente brasileira”, finalizou André.

O Fórum está montando um cronograma do Encontro de Capoeira, que será realizado no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

JBS_Covid-19