Com a presença de autoridades, abertura da Feira foi neste domingo e prossegue até terça-feira, 18 – Assessoria

Promovida pelo Sindical/MS (Sindicato das Indústrias de Calçados de Mato Grosso do Sul) com apoio da Fiems e empresas locais, a Feicc-MS (Feira de Calçados, Couros e Acessórios de Mato Grosso do Sul), que está na 9ª edição, auxilia lojistas do interior do Estado a adquirirem o estoque de produtos e torná-los competitivos no mercado, além de ser uma vitrine para atração de novas indústrias, gerando empregos e atraindo investimentos.

A abertura do evento, que começou neste domingo (16/06) e prossegue até terça-feira (18/06), no Centro de Convenções e Exposições Albano, em Campo Grande (MS), teve a presença do presidente da Fiems, Sérgio Longen, que destacou que cinco grandes indústrias calçadistas já se instalaram no Estado após participarem da Feicc-MS – Pé com Pé, Smith Brothers, Klassipé, Pampilli e Klin – e falou sobre a relevância do segmento para o desenvolvimento de economias locais.

“Ainda que a indústria de calçados invista em tecnologia, trata-se de um segmento ainda bastante dependente de mão de obra. Onde uma indústria de calçados chega, há geração de empregos e movimentação da economia”, analisou Sérgio Longen, ressaltando a importância da feira para apresentar Mato Grosso do Sul a potenciais investidores. Atualmente, as 32 indústrias de calçados que operam no Estado empregam 1.700 trabalhadores.

O secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, comentou a política de incentivos que o Estado adota para atrair estes empresários. “Desde a revisão do programa de benefícios fiscais do Estado, por meio do Fadefe (Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Econômico e de Equilíbrio Fiscal do Estado), Mato Grosso do Sul voltou a ser um estado atrativo para os empresários de fora, que nos têm como uma região estratégica e com abundância de mão de obra qualificada”, destacou.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Paulo Corrêa, que também esteve presente na abertura, ressaltou a atuação dos parlamentares para fomentar a indústria de calçados. “É visível a importância do segmento calçadista para o desenvolvimento de diversas cidades do nosso Estado, e capacidade destas empresas de transformar a realidade de municípios. Por isso sempre houve um empenho dos deputados para atrair e manter estas indústrias aqui”, disse.

Facilidade para indústrias e lojistas

Além de fomentar a indústria de Mato Grosso do Sul, a Feicc-MS também fomenta outra parte da cadeia produtiva: tem como objetivo facilitar a vida dos comerciantes do Estado, que podem adquirir os produtos com preços e prazos diferenciados. “Toda cidade, independente do porte, tem uma loja de calçados, geralmente multimarcas e com produtos que possam atender o público masculino, feminino, infantil. Mas, imagine a dificuldade que é montar este estoque. O empresário precisaria percorrer diversos estados, aguardar a visita de um distribuidor de várias marcas se quiser ter um portfólio completo e diferenciado. Com a feira, ele tem tudo isso em um só lugar”, explicou o presidente do Sindical/MS, João Batista de Camargo Filho.

Segundo Camargo, muitos lojistas, principalmente os do interior, saem da feira com as compras fechadas para um semestre inteiro. A expectativa do Sindical/MS é movimentar, ao longo dos três dias de evento, cerca de R$ 15,5 milhões em negócios, e receber 250 lojistas de todos os municípios do Estado, que terão à disposição 62 estandes de 55 marcas de todo o País.

Para o empresário Pedro Arruda, que mantém uma loja multimarcas de calçados há 15 anos em Campo Grande, a feira aproxima o comerciante do distribuidor. “Venho há alguns anos e já tive a oportunidade de conhecer marcas que nunca tinha ouvido falar, e que passei a vender na loja. Outra questão importante é o momento de téte a téte, em que sentamos e negociamos o preço com o olho no olho”, detalhou.

A lojista Maria Odete Vinha, sócia proprietária de uma loja de calçados no Bairro Carandá, também na Capital, também considera a feira um momento de formatar a coleção. “Participamos para conhecer o que é tendência e, assim, nos preparamos para escolher o que a loja vai vender, o que vai agradar o consumidor”, afirmou.

Outro aspecto importante da Feicc/MS é para o industrial, que também considera a feira uma oportunidade de aproximação com o lojista. O Grupo Kidy, que desde 2013 opera em Três Lagoas e Birigui e atualmente emprega 850 funcionários – mais da metade de toda a mão de obra do setor no Estado – participa pela segunda vez como expositora.

“Mato Grosso do Sul é um estado de oportunidades. A Kidy enxergou aqui um ambiente propício para instalar a linha de produção e setor administrativo da empresa em razão das facilidades de distribuição, pela proximidade tanto com o Sul quanto com o Nordeste brasileiro, e também pelo comércio local, que busca variedade de produtos”, conclui o gerente-regional da empresa, Alex de Souza.