Equipe da Educação Especial de Caarapó durante o evento, na Capital paulista – Foto: Divulgação

Trocar experiências no universo profissional, ampliando o olhar e fomentando uma prática e formação mais ampliada e conectada com a realidade,  possibilitando aos profissionais verificar hipóteses, teses e teorias na prática escolar inclusiva, com a concepção de que falar de inclusão é falar de diferenças e potenciais humanos, na qual é preciso edificar no espaço educacional possibilidades concretas para este fazer, afastando o discurso pelo discurso, de maneira objetiva e prática, contextualizando com os pares soluções que atendam as reais necessidades desse cotidiano complexo, que são as práticas educacionais inclusivas. Foi com essa premissa que uma equipe da Educação Especial da Secretaria Municipal de Educação, Esporte e Cultura (Semeec) de Caarapó realizou visita técnica a instituições do gênero e à Feira Internacional de Acessibilidade – Reatech, realizada em junho, na cidade de São Paulo.

A visita é resultado de parceria entre a prefeitura de Caarapó com a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), da qual participaram a especialista em Educação Especial e coordenadora da Seção de Educação Especial da Semeec de Caarapó, psicóloga Lea Geller, e das professoras especialistas em Educação Especial Marly da Costa Gonçalves e Juliana Queiroz de Souza, da rede municipal de ensino.

Lea Geller explica que a visita técnica contribuiu para formação dos profissionais envolvidos, desenvolvendo a compreensão de diferentes metodologias que dizem respeito à acessibilidade, inclusão de forma ampla e irrestrita. “Nesse sentido, a visita técnica ofereceu benefícios únicos à Educação Especial, de forma que os profissionais envolvidos puderam observar, confirmar ou modificar suas práticas, desenvolvendo metodologias especificas e adequando-se à realidade municipal, favorecendo a inclusão dos estudantes com deficiência na escola comum”, observa.

Segundo a profissional, no município de Caarapó, a Educação Especial iniciou sua trajetória no ano de 2006, inicialmente com uma professora especialista lotada na Escola Municipal Cândido Lemes dos Santos, com acompanhamento de uma psicóloga. “Atualmente, contamos com seis professores especialistas, salas de recursos multifuncionais em todas as escolas municipais e uma no Centro Municipal de Educação Infantil Armando Campos Belo, atendendo a educação infantil, ensino fundamental e educação indígena, além de contar com duas psicólogas efetivas que realizam atendimentos educacionais e dão suporte aos pais, profissionais e estudantes da rede municipal de ensino de Caarapó”, acrescenta a coordenadora da Seção de Educação Especial da Semeec.

Ainda conforme a coordenadora, a cada dia vem aumentando o número de estudantes com deficiência na rede municipal de ensino e a meta da Semeec é oferecer formação continuada aos profissionais envolvidos, favorecendo o melhor atendimento a esses estudantes, pois atualmente os professores especialistas em Educação Especial do ensino municipal atendem cerca de 110 estudantes com necessidades educacionais específicas.

Para o prefeito André Nezzi (PSDB), é necessário que a administração municipal possibilite uma educação inclusiva, na qual haja apoio especializado para atender às necessidades peculiares de cada aluno com algum tipo de deficiência que se enquadre na Educação Especial. “E para que a inclusão de fato se concretize, é necessário que os professores estejam preparados para lidar com esse tipo de situação”, sublinha, acrescentando que “essa capacitação profissional será plenamente proporcionada pelo nosso governo”.