Além de MS, os recursos vão para São Paulo, Bahia e Pernambuco, por meio de emendas de quatro deputados federais.

O presidente Jair Bolsonaro com o ministro Luiz Henrique Mandetta, em ato público – Foto: Assessoria/PR

O Palácio do Planalto enviou ao Congresso Nacional mais um pedido de crédito especial para ser utilizado no Orçamento de 2019, o PLN 44/2019. O texto remaneja recursos da educação e da saúde.

A justificativa apresentada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, ao presidente da República, é a necessidade de serem realizados gastos de mais de R$ 36,9 milhões em programas do Ministério da Educação e do Ministério da Saúde.

Do total, R$ 2,8 milhões são destinados aos estados de Mato Grosso do Sul, São Paulo, Bahia e Pernambuco, por meio de emendas de quatro deputados federais, ao Ministério da Saúde, do ministro sul-mato-grossense Luiz Henrique Mandetta.

O projeto chegou ao Congresso dia 15 de outubro e foi encaminhado no dia seguinte à CMO (Comissão Mista do Orçamento).

Pelo quadro demonstrativo que acompanha o projeto, o governo afirma que mais de R$ 34,1 milhões serão destinados à UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) para o seu hospital-escola, o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho.

Em cumprimento à legislação que regula o Orçamento, para criar um crédito especial é necessário cancelar igual valor em um ou mais programas. Nesse caso, foram cancelados mais de R$ R$ 6,6 milhões em Bolsas de Estudo do Proies (Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento das Instituições de Ensino Superior); também foram cancelados R$ 27,5 milhões da gestão e manutenção do Ministério da Educação; além de outros R$ 2,8 milhões do Ministério da Saúde.

O projeto deverá ter um relator designado pelo presidente da Comissão Mista de Orçamento, o senador Marcelo Castro (MDB-PI). E, pelo cronograma divulgado, deverá ser votado até 18 de novembro. (Com Agência Senado)

Câmara de Dourados - Balanço dos trabalhos