Governo espera incremento do PIB de US$87 bilhões em 15 anos

Bolsonaro está participando da Cúpula do G20, em Osaka – Foto: EPA

O presidente Jair Bolsonaro classificou o acordo entre o Mercosul e a União Europeia assinado em Bruxelas nesta sexta-feira (28) como “histórico” e afirmou que ele trará enormes benefícios à economia do Brasil.

“Histórico! Nossa equipe, liderada pelo embaixador Ernesto Araújo, acaba de fechar o Acordo Mercosul-UE, que vinha sendo negociado sem sucesso desde 1999. Esse será um dos acordos comerciais mais importantes de todos os tempos e trará benefícios enormes para nossa economia”, escreveu o mandatário brasileiro no Twitter. Bolsonaro, que está no Japão para participar da Cúpula do G20, em Osaka, ressaltou que, juntos, o Mercosul e a UE representam um quarto da economia mundial e, com o tratado, os produtores brasileiros terão acesso a esse enorme mercado. “Prometi que faria comércio com o mundo, sem viés ideológico.

Não foi retórica vazia de campanha, típica da velha política. É pra valer! Estou cumprindo mais essa promessa, que renderá frutos num futuro próximo. Vamos abrir nossa economia e mudar o Brasil pra melhor”, acrescentou.

Em uma série de tuítes, Bolsonaro aproveitou para parabenizar os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Agricultura, Tereza Cristina, que participaram da comitiva brasileira nas negociações.

“Espero que ele [acordo] seja benéfico para nosso país e principalmente para nossa agricultura”, afirmou a ministra em um vídeo publicado na rede social.

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil, por sua vez, confirmou a parceria e garantiu que o acordo contribuirá para o esforço de abertura e competitividade da economia brasileira com o objetivo de fazer o país retomar o caminho do crescimento dinâmico e sustentado. Em nota conjunta, o Itamaraty, o ministério da Economia e da Agricultura explicaram que as tarifas de suco de laranja, frutas e café solúvel brasileiros serão eliminadas. Segundo o texto, os exportadores brasileiros obterão ampliação do acesso, por meio de cotas, para carnes, açúcar e etanol, entre outros”. Além disso, queijos, vinhos, cafés e cachaças serão classificados como distintivos. O documento ainda afirma que a parceria garantirá acesso efetivo em diversos segmentos de serviços, como comunicação, construção, distribuição, turismo, transportes e serviços profissionais e financeiros.

As empresas brasileiras serão beneficiadas com a eliminação de tarifas na exportação de 100% dos produtos industriais.

De acordo com estimativas do Ministério da Economia, o tratado representará um incremento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de US$87 bilhões em 15 anos, podendo chegar a US$ 125 bilhões. O aumento de investimento no país, no mesmo período, será de US$113 bilhões. Já em relação ao comércio bilateral, as exportações brasileiras para a UE apresentarão quase US$ 100 bilhões de ganhos até 2035.

Da AnsaFlash