A Audiência Pública da Assembleia Legislativa de MS denominada “ARTE! MS Contra a Censura” resulta da ação de artistas, estudiosos e professores de arte contra o retorno da censura a arte que sempre acontece em regimes autoritários e ditaduras. O evento acontece nessa quinta-feira dia 5 de outubro, a partir das 13:30, no Bloco 6 (ao lado da Biblioteca) da UFMS – Universidade Federal de MS, porque o auditório da Assembleia Legislativa está sendo reformado.

Debaterão sobre o tema deputados, juristas, curadores de arte, conselheiros de cultura, professores de arte, artistas de artes visuais e de teatro. Ao final do evento será redigido um documento para ser encaminhado às autoridades pertinentes e ao público em geral. A proposta de debater a censura se deu em razão do fechamento da exposição da artista mineira Ropre (Alessandra Cunha) no MARCO – Museu de Arte Contemporânea de MS e o confisco de suas obras, no dia 14 de setembro.

Para o professor da UFMS e pesquisador de arte contemporânea Paulo Duarte Paes “a referida exposição aborda poeticamente uma denúncia contra o machismo na sociedade brasileira e em nada fere dos direitos de crianças e adolescentes, muito menos seria um estímulo a pedofilia”. O MARCO tem uma Conselho e curadorias formadas por profissionais qualificados e houve um desrespeito a arte, a instituição. O fato de que 4 deputados terem feito um Boletim de Ocorrência contra a exposição não dá ao Delegado da infância o direitos de fechar a exposição e prender a obra.

O fechamento da exposição Queer em Porto Alegre, a ação policial contra a performance do SESC de Brasília, as obras de Gervane de Paula retiradas do Shopping em Cuiabá, a campanha contra a performance no MAM em São Paulo, são apenas parte do crescente movimento de censura a obras de arte que somente é comum em regimes de exceção, autoritários e ditatoriais. Todas e todos estão convidados para esse relevante debate e posicionamento diante do papel da arte na sociedade.

Governo de MS - Nota Premiada