Profissionais da Embrapa de várias partes do Brasil marcam presença no Show Rural Coopavel 2019 – Divulgação/Embrapa

Presente há 14 anos no Show Rural Coopavel, a Embrapa Pantanal levou, entre os dias 4 e 8 de fevereiro, a 31ª edição da feira, que ocorre anualmente em Cascavel/PR, algumas técnicas em transição agroecológica desenvolvidas na região pantaneira e temas relacionados a agricultura familiar, que foram apresentados na Vitrine Tecnológica de Agroecologia “Vilson Nilson Rendel”. Nesse espaço, a Embrapa em conjunto com uma rede de 11 parceiros, demonstrou os princípios da Agroecologia e a diversidade de cultivos, onde se empregam técnicas com baixo impacto ambiental e que integram processos produtivos nas propriedades rurais, acessíveis aos agricultores, com diferentes fontes de renda e possibilidades de agregação de valor. Segundo o pesquisador Alberto Feiden, a Vitrine é uma área de 2.600m² que simula uma pequena propriedade e suas diversas funções: “temos bioconstruções, secador solar, cisterna, área de plantio de mandioca, mandala de hortaliças, pancs e plantas medicinais e aromáticas, área de produção animal, etc.”

Sistema de irrigação de baixo custo

“Trouxemos este ano novamente o Sistema Alternativo de Irrigação de Baixo Custo, uma adaptação realizada por um produtor experimentador, do Município de Mundo Novo/MS, que usa garrafa pet e mangueira preta para construir um Irrigador Agroecológico muito prático, de fácil confecção e instalação”, explicou o pesquisador Feiden. Segundo ele o sistema de irrigação utiliza como aspersor garrafas PET e mangueira preta de polietileno: “como seus materiais são facilmente encontrados e de fácil substituição, sua utilização é indicada para sistemas em transição agroecológica. O sistema foi avaliado em quatro propriedades com o intuito de desenvolver alguns parâmetros técnicos que permitam auxiliar seu dimensionamento, já que até o momento os sistemas são instalados de forma empírica. Os resultados mostram que o sistema é viável a baixa pressão, e que pode ser utilizado nas condições dos agricultores da Borda Oeste do Pantanal. Com este sistema, o agricultor pode facilmente adaptar uma linha de irrigação à saída da caixa de água que abastece sua residência ou mesmo utilizar a água armazenada pela chuva, desde que esta fique em um reservatório com uma certa elevação”, explicou o pesquisador.

Prensa e aditivo para silagem

Outra novidade apresentada pela Unidade de Corumbá, foi a “Prensa para Silagem”, tecnologia de baixo custo e de fácil execução, permite a produção de pequenas quantidades de silagem por vez sem demandar de grande infraestrutura, facilitando o armazenamento e o transporte do material.  Segundo o pesquisador Frederico Lisita, foi desenvolvida uma metodologia para produção de silagem, utilizando forrageiras de alto valor proteico – capim elefante BRS Kurumi, parte aérea de mandioca e ramos de moringa – bem como um aditivo para auxiliar no processo de fermentação, visando à suplementação alimentar dos rebanhos leiteiros nos períodos de estiagem. Os resultados preliminares apontam que as silagens produzidas possuem boas características, configurando-se em alternativa para os agricultores familiares produtores de leite para suplementação alimentar proteica de bovinos de leite em períodos de seca ou frio, quando há menos comida disponível aos animais.

10 Unidades da Embrapa presentes

A Embrapa marcou presença este ano por meio de 10 unidades pesquisa: Embrapa Arroz e Feijão, Embrapa Clima Temperado, Embrapa Gado de Corte, Embrapa Gado de Leite, Embrapa Instrumentação, Embrapa Mandioca e Fruticultura, Embrapa Pantanal, Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Embrapa Soja e Embrapa Suínos e Aves. Foram apresentados variados temas: incrementos para segmentos, como: produção animal, genética, sistemas de produção sustentáveis de grãos, hortaliças, frutas, entre outros. As tecnologias foram apresentadas em três diferentes ambientes na Casa da Embrapa, na Vitrine de Tecnologias e na Vitrine de Tecnológica de Agroecologia “Vilson Nilson Redel”. A Vitrine de Tecnologias da Embrapa abrigou, ainda, a Estação do Conhecimento, onde foram realizadas mini palestras com orientações práticas.