A Reforma da Previdência vai proporcionar oportunidades iguais a todos os brasileiros, acabar com privilégios e assegurar a manutenção das aposentadorias. Essa é a avaliação do presidente da República, Michel Temer, em vídeo divulgado nas redes sociais, na noite desta terça (7). Na mensagem, Temer também garantiu: “Toda a minha energia está voltada para concluir a reforma da Previdência”.

Temer tem mantido um diálogo intenso com o Legislativo para debater a proposta que deve ser apreciada pelo Congresso Nacional. O presidente reuniu-se com os presidentes da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Eunício Oliveira (PMDB-CE), e também com os líderes da base aliada.

“Verifiquei nesses líderes a disposição de produzir uma reforma da Previdência para o nosso País”, ressaltou. “A reforma previdenciária é fundamental para o nosso País, para que o País continue a desenvolver-se como vem se desenvolvendo até o presente momento”, completou.

Reforma antes de 2019

Em outro vídeo, também gravado para as redes sociais, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, reforçou que é indispensável que o Brasil faça uma reforma da Previdência.

“Nós necessitamos indubitavelmente de uma reforma da Previdência”, afirmou o ministro. “Não podemos entrar em 2019 sem a reforma da Previdência”, ponderou.

Ele destacou as reuniões do presidente com líderes da base aliada na Câmara dos Deputados e no Senado para falar sobre a importância de se aprovar essa reforma.

Importância da reforma

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, também defendeu a necessidade de uma reforma da Previdência. A fala dele ocorreu durante o Congresso “Perspectivas Econômicas e Políticas no Brasil”, organizado pela Turnaround Management Association do Brasil, nesta terça-feira (7), em São Paulo.

Segundo Meirelles, a reforma da Previdência não é uma questão de escolha, ela terá de ser feita em algum momento, por ser uma “questão fiscal e uma questão numérica”.

Ele explicou que as despesas previdenciárias estão crescendo e podem chegar, em algum momento, a 80% do Orçamento da União, o que inviabilizaria despesas com educação, infraestrutura e outras. “O crescimento das despesas de Previdência no Brasil não é sustentável”, alertou.

Para o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, o Brasil não pode parar a agenda de reformas. “A reforma fiscal mais importante do Brasil hoje é sem dúvida a da Previdência”, ponderou.

Do Planalto