Concurso da Sefaz-DF oferece vagas mais valorizadas que de órgãos federais, diz analista

Para Egbert Nascimento, do Gran Cursos Online, secretaria possui mais prestígio do que vagas na Câmara dos Deputados

A Secretaria do Planejamento do Distrito Federal autorizou em abril a contratação da empresa que vai coordenar os procedimentos para o concurso da Secretaria do Estado da Fazenda do Distrito Federal (Sefaz DF), que será realizado ainda neste ano. A prova pretende preencher 40 vagas para Auditor Tributário e formar um cadastro de reserva com mais 80 lugares.

Os analistas acreditam que existem duas grandes atrações no concurso: o primeiro é o alto salário, que tem remuneração inicial de R$ 14.970 e pode chegar a R$ 22.196,62 nas categorias mais altas.

“O serviço público no Distrito Federal é muito valorizado. Tive uma evidência recentemente disso com uma colega minha que passou no concurso para auditora do Tribunal de Contas do Distrito Federal e que, depois, foi aprovada em outro edital, para analista da Câmara dos Deputados. Tomou posse, começou a trabalhar, mas percebeu uma semana depois que o TC-DF era melhor. Desafia o senso comum pensar quem um órgão que não é federal é melhor do que um do peso da Câmara”, conta Egbert Nascimento, Auditor Federal de Controle Externo do Tribunal de Contas da União (TCU) e professor do Gran Cursos Online, consultoria especializada nesse tipo de exame.

O segundo é o prestígio da carreira, que atua em um setor crucial para o funcionamento de qualquer governo: o fiscal. “É uma carreira que sempre será valorizada dentro do funcionalismo público por questões óbvias: se o governo trata mal quem arrecada, fica sem oxigênio, não respira”, explica Nascimento. “Eu tenho um amigo que trabalha na Sefaz-DF e está em um regime de teletrabalho, analisando processos, recursos de autuações, de autos de infração, já tem um bom tempo de casa, mas o regime de trabalho é muito tranquilo”, completa.

O edital da SEFAZ-DF deve ser publicado em junho, de acordo com consultorias especializadas no setor. A seleção para trabalhar no órgão já passou da fase de elaboração do Termo de Referência e agora espera pela assinatura do contrato com a empresa que irá organizar, planejar e aplicar as provas.

A assessoria de imprensa da pasta informou recentemente que nos próximos dois meses o governo do Distrito Federal irá sacramentar o acordo com a empresa escolhida para o processo.

A expectativa pelo concurso do SEFAZ-DF tem dois motivos: o primeiro é que a última prova para o órgão aconteceu em 2001, quando a Fundação Carlos Chagas (FCC) organizou o concurso para 200 vagas de Fiscal da Receita do DF. Apesar da distância temporal, o exame de 16 anos atrás é a única referência para quem está estudando hoje.

O segundo é que a prova é esperada pelos concurseiros desde 2014, quando o governador à época, Agnelo Queiroz, autorizou a contratação de 100 vagas imediatas e para um cadastro de reserva do órgão.

“O Distrito Federal é um excelente patrão”, finaliza Nascimento.

O exame para as vagas deve ter o mesmo número de disciplinas do concurso de 2001: Direito tributário e Legislação Tributária do Distrito Federal, além de Língua Portuguesa, Matemática, Contabilidade Comercial, Contabilidade Pública e Noções de Direito Constitucional, Administrativo, Comercial, Penal e noções de Informática e conhecimentos gerais.