Bebeto destaca conclusão de obras de recapeamento na Monte Castelo

Bebeto acompanhou as obras de recapeamento na Monte Castelo, na manhã de segunda-feira – Foto: João Pires

O vereador Bebeto (PL) esteve na segunda-feira (18), juntamente com sua assessoria, vistoriando as obras de conclusão do recapeamento completo da Rua Monte Castelo, executada pela Prefeitura de Dourados, com recursos próprios do município.

Bebeto destacou a qualidade dos serviços de recapeamento em outras vias, como na Rua Cuiabá, concluído recentemente e outras obras em parceria com o Governo do Estado, como nas principais avenidas da área central e a recuperação da tubulação de águas que destruiu parte do asfalto na Avenida Presidente Vargas. “Existem outros projetos de pavimentação e recapeamento, priorizando as vias coletoras e linhas de transporte coletivo. Agradeço a sensibilidade da prefeita Délia em atender umas das principais revindicações de nosso mandato, na Câmara de Dourados”, comemorou o vereador.

Para a reestruturação total da Rua Monte Castelo, recapeamento, recuperação, meio-fio e sinalização viária, está sendo investido R$ 1.346.216,21 milhão, recursos de convênio por permuta de área institucional. De acordo com a secretária de Obras Públicas, Marise Bianchi Maciel, no total, serão recapeados 20.643,94 m² da via. A empreiteira responsável é a HPR Assessoria e Gestão Empresarial Ltda.

Escrituras

Em indicação protocolada na Câmara Municipal, o vereador Bebeto encaminhou solicitação a prefeita Délia Razuk (PL) e aos secretários municipais Adriana Benicio (Planejamento) e Carlos Pimentel (Habitação), com relação a regularização das escrituras do loteamento localizado próximo a antiga cancha do Joquei Clube.

O documento cita que a área localizada nas proximidades da antiga cancha do Joquei Clube foi tomada já alguns anos, porém, na administração municipal passada foi feito um acordo que legitimou os moradores como proprietários de seus lotes, que compraram seus espaços. “No entanto, até o momento estes moradores não conseguiram suas escrituras, o que tem dificultado e causado insegurança, sendo que a grande maioria já construiu suas residências e constituíram famílias no local”, explica.