A equipe Archibots, de Maracaju, campeã do Torneio Interclasse do Robótica das Escolas do Sesi de Campo Grande e Maracaju – Assessoria

A equipe Archibots, de Maracaju (MS), foi a grande campeã do Torneio Interclasse do Robótica das Escolas do Sesi de Campo Grande e Maracaju, realizado neste sábado (13/07), no Shopping Norte Sul Plaza, na Capital (MS). O torneio é parte da robótica educacional adotada como ferramenta de aprendizagem na instituição de ensino e tem como objetivo apresentar à comunidade o que é educação 4.0.

Segundo o superintendente do Sesi, Bergson Amarilla, a competição busca preparar os alunos para etapas nacionais de robótica. “Além disso, é uma oportunidade de mostrarmos o nosso zelo em unir educação com tecnologia e inovação. Esse torneio trabalha muito a capacidade de trabalhar em equipe, raciocínio lógico, procurar soluções para os problemas, que são habilidades essências para o ensino, para o futuro, para o mercado de trabalho, para a vida. São valores indispensáveis para uma sociedade que precisa evoluir. A Escola do Sesi prepara esses jovens para essa evolução e acima de tudo de uma forma divertida”, afirmou.

Na avaliação da gerente de educação do Sesi e Senai, Simone Figueiredo, o torneio interclasse de robótica representa uma escola viva onde os alunos são protagonistas de pesquisa, soluções inovadoras para os problemas que nós temos no mundo. “E a temática desse ano, trazendo a questão de uma arquitetura inteligente, de uma casa inteligente, então é fazer os alunos olharem para a realidade e pensarem o que está acontecendo, o que representa isso para nós”, declarou.

Para ela, a ideia de realizar o evento o Shopping Norte Sul Plaza mostra à população ainda mais o diferencial de educação que o Sesi promove no Estado. “Queremos mostrar que é possível fazer uma educação diferente, romper com os espaços de sala de aula e tornar realmente os alunos protagonistas e autônomos dos seus conhecimentos. Teremos a união das escolas de Campo Grande e Maracaju e é uma satisfação imensa”, completou.

Diretores

Na avaliação do diretor da Escola do Sesi de Campo Grande, Murilo Augusto de Oliveira, o torneio busca desenvolver com os alunos habilidades socioemocionais que fazem parte da BNCC (Base Nacional Curricular Comum). “São diversas atividades que desenvolvem a empatia, o respeito, a educação, trabalhar em prol do outro, raciocínio lógico e outas. Estamos nesse clima de torneio há mais de uma semana e acredito que foi um dia de muito conhecimento, mas também de muita diversão”, destacou.

Já para a diretora da Escola do Sesi de Maracaju, Jaqueline Sant’Anna de Faria Santos, é uma grande satisfação apresentar os trabalhos desenvolvidos em Campo Grande. “Essa é a finalização de um grande trabalho. Nossos alunos estudaram, pesquisaram, foram atrás de profissionais para desenvolverem seus projetos de pesquisa, se esforçaram para montar os robôs para a competição. Então hoje foi um dia de muita comemoração”, finalizou.

Campeões

Com o tema “Architecture City Shaper – E Se Você Pudesse Construir um Mundo Melhor?”, o torneio avaliou cada um dos 23 times em diferentes missões: o Desafio do Robô, quando os estudantes colocam robôs de Lego construídos por eles na arena de competições, e as máquinas precisam ser programadas para cumprir uma série de tarefas; o Core Values, a capacidade de trabalhar em equipe; o Design do Robô, que avalia as características das máquinas construídas pelos alunos; e Projeto de Pesquisa, em que os alunos precisam desenvolver uma solução seguindo o tema proposto para este ano.

O grande vencedor foi o time Achibots, do 6º ano do Ensino Fundamental da Escola do Sesi de Maracaju, enquanto a equipe Paladinos, do 8º ano da Escola do Sesi de Campo Grande, levou para a casa as medalhas das categorias Desafio Do Robô e Design de Robô, o time Gods of Contructions, do 8º ano da Escola do Sesi de Maracaju, venceu a categoria Projeto de Pesquisa e a equipe Lendgers, do 6º ano da Escola do Sesi de Campo Grande, ganharam em Core Values.

Para a aluna Fernanda Gonçalves Viapiana, integrante da Archibots, ganhar a competição é uma sensação única. “É a primeira vez que participo de um interclasse de robótica e ganhar logo de cara é incrível. Estou muito feliz, muito emocionada, mas sei também que isso não é o mais importante. Aprendemos muito, nos dedicamos muito e mesmo vencedores, respeitamos todos os nossos adversários”, declarou.

O aluno Matheus Bregolato Senna, da equipe Paladinos, destacou que participar do torneio interclasse foi muito empolgante, apesar de todos os desafios. “Foi muito difícil montar um robô com tão pouca experiência, mas acredito que o trabalho em equipe foi muito importante e conseguimos nos unir bastante. Isso foi fundamental para conseguirmos cumprir as provas”, disse.

Na avaliação da aluna Lívia Sales, da equipe Gods of Constructions, o projeto de pesquisa envolveu muito trabalho em equipe. “Somos um quebra-cabeças e cada peça foi importante em diferentes fases. Criamos uma composteira residencial móvel que deve ajudar a melhorar a vida de muitas pessoas, além de facilitar a coleta do lixo e contribuir com o meio-ambiente”, comentou.

Na mesma linha o aluno João Vitor Oliveira Melgarejo, reforçou a importância do trabalho em equipe. “Eu gostei muito de participar do torneio interclasse porque aprendi muito em cada etapa. Percebi que ter meus amigos por perto é muito legal e ajuda no desenvolvimento do projeto, porque sempre tem um que sabe mais de alguma coisa e outro que sabe mais de outra coisa e o importante é todo mundo se ajudar, contribuir com aquilo que sabe e ajudar os colegas”, finalizou.