Depois de Carlos Eduardo e Felipe Pires não aproveitarem oportunidades no primeiro semestre, Willian e colombiano Angulo viram alternativas de velocidade no Palmeiras

Decisivos no título brasileiro de 2018, Willian e Dudu podem jogar juntos novamente – Agência Palmeiras/Divulgação

Após o título brasileiro no ano passado, ciente de que Willian passaria por uma cirurgia no joelho direito e não atuaria no primeiro semestre de 2019, Luiz Felipe Scolari deixou clara a deficiência que encontrava no elenco: velocidade pelos lados. Chegaram Carlos Eduardo e Felipe Pires, mas não convenceram e o treinador encontrou soluções com meias na função. Neste segundo semestre, contudo, o Palmeiras ganha opções para retomar o estilo preferido do técnico.

Na reapresentação do elenco nessa segunda-feira, depois de dez dias de folga, dois nomes que podem retomar a velocidade ofensiva adorada por Felipão já estavam correndo no gramado da Academia de Futebol. Willian tem liberação médica para voltar a entrar em campo, e foi promovido ao elenco principal o colombiano Iván Angulo, adquirido em definitivo após se destacar no sub-20.

Dentro de sua estratégia objetiva, querendo sair do campo defensivo ao ataque o mais rápido possível, Willian encaixou-se perfeitamente no esquema de Scolari, sendo um dos destaques do time campeão brasileiro – inclusive, o artilheiro do Palmeiras na campanha, com dez gols. Se retomar o nível apresentado em 2018, será o dono incontestável da posição.

Angulo, por sua vez, é uma aposta aprovada nas categorias de base. Aos 20 anos, atuou por empréstimo no time sub-20, destacando-se na Copa do Brasil da categoria e, também, no Mundial, pela Colômbia. Mostrou o estilo veloz e aberto pelas pontas que Felipão gosta. Ganhou aval para o clube pagar US$ 3 milhões (quase R$ 12 milhões) ao Envigado, da Colômbia, para tê-lo em definitivo. Pode ser a alternativa que faltou ao treinador no primeiro semestre.

Scolari deu aval às chegadas de Carlos Eduardo, que veio do Pyramids, do Egito, por mais de R$ 23 milhões, e Felipe Pires, emprestado pelo alemão Hoffenheim até o final do ano. Ambos ganharam sequência na primeira fase do Campeonato Paulista, mas não convenceram. Restou ao técnico encontrar alternativas dentro do elenco, abrindo mão de seu estilo e apostando na adaptação de meias mais acostumados a tocar a bola.

A improvável solução, na estratégia inicial, deu certo. Gustavo Scarpa, Zé Rafael e Raphael Veiga alternaram-se com atuações pelos lados e tornaram-se decisivos. Assim, foram fundamentais em vitórias que fizeram o Palmeiras ter a melhor campanha tanto na Libertadores quanto no Campeonato Brasileiro.

Agora, a expectativa é de que Willian, principalmente, além de Angulo consigam fazer Felipão retomar seu estilo. O segundo semestre será de partidas decisivas, nas quais o técnico costuma apostar fortemente em sua estratégia de proteção à defesa com rápidas idas ao ataque.

Do Lance!