Eles elencaram pelo menos cinco razões para o pedido que resultaram na decisão por unanimidade dos parlamentares

Os 19 vereadores da Câmara de Dourados solicitaram ao Governo do Estado de Mato Grosso do Sul para que a Escola Estadual Rotary Doutor Nelson de Araújo não seja municipalizada. O documento foi encaminhado para o governador, Reinaldo Azambuja (PSDB), e ao vice, Murilo Zauith (DEM), além da secretária de educação, Maria Cecília Amendola da Motta.

Eles elencaram pelo menos cinco razões para o pedido que resultaram na decisão por unanimidade. Em contato com a Casa de Leis e em diversas reuniões com autoridades da área educacional do Estado e Município, pais e alunos tem demonstrado preocupação quanto à notícia. A reivindicação da comunidade escolar é, justamente, de que a escola permaneça como estadual.

Pais e professores foram à Câmara de Dourados protestar – Foto: Assessoria

Com 51 anos de serviços prestados, a Escola é referência. Atualmente com 296 alunos que estudam do 1° ano ao 5° ano, a instituição desde que passou a participar das avaliações de larga escala, aplicadas pelo MEC, vem apresentando resultados crescentes, ultrapassando a meta estabelecida para 2021 e ocupando o lugar de destaque no Estado com a nota do IDEB de 7,4 (2015), a segunda melhor, além de alcançar excelentes resultados nas avaliações internas, como no desempenho no monitoramento realizado pela própria Secretaria, alcançando 97 pontos.

De acordo com o documento, historicamente, todos os anos a procura por vagas é o dobro das oferecidas. Isso se deve também a qualidade do quadro de funcionários altamente comprometidos, bem como atuam efetivamente com participação dos pais (APM) fazendo da escola um modelo para a educação pública, explicam os vereadores.

Por fim, no texto diz que o prédio escolar, seus equipamentos e acervo, apresentam boas condições de funcionamento, não faltam materiais para os alunos ou para os professores e que a escola é bem organizada e conservada, apesar do pouco espaço. Eles ressaltam que o prédio não precisa de reformas urgentes, de manutenção na rede elétrica, hidráulica, ou seja, não exige grandes investimentos por parte do Estado.

Orteco