Dados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada nessa terça-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontam que o comércio de Mato Grosso do Sul registrou aumento de 5,2% no volume de vendas em fevereiro deste ano, comparado com o mesmo mês de 2018. O índice é maior que o registrado no País, que foi de 3,9%. Na comparação com o mês de janeiro, houve uma leve queda de 0,1%. Em termos de receita nominal, o percentual chegou a 9,5%, também maior que o registrado no Brasil (7,5%).

Em relação aos dados nacionais, houve destaque para os segmentos de tecidos, vestuário e calçados, seguidos pelos segmentos de móveis e eletrodomésticos, e em seguida veículos e material de construção. “Estes segmentos não registraram aumento apenas em termos de receita nominal, mas em volume de vendas também. Materiais de construção, em termos de volume, o aumento em relação a fevereiro de 2018 é de 9,3%. Já o segmento de veículos registrou aumento de 19,4% para o mesmo período. São valores bem expressivos e que provavelmente também foram os responsáveis pelo desempenho no Estado”, afirma a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio-MS (IPF-MS), Daniela Dias.

A explicação para os aumentos significativos, segundo Daniela, pode estar relacionada à melhora da intenção de consumo das famílias, no início do ano, que apontou um aumento na intenção de compras de bens duráveis pelas famílias campo-grandenses. “Estamos com bons indícios da recuperação da economia e esses números mostram isso”, diz.

O volume de vendas é o índice que realmente aponta se houve melhora no setor, pois demonstra um aumento real de compras, por se referir a unidades físicas. Já a receita nominal pode sofrer influência da inflação, que faz com que ela aumente.

“Observamos que a pesquisa trouxe um cenário mais otimista para o comércio no Brasil e no Estado. Esses índices se baseiam tanto nas condições atuais, quanto nas perspectivas futuras, e isso significa que a intenção de consumo melhorou, que está sendo transformada em uma demanda efetiva. Os números do emprego também são significativos e os empresários estão mais confiantes, tudo isso é muito importante para a nossa economia”, afirma o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de MS (Fecomércio-MS), Edison Araújo.