Frase em camiseta reconheceu Macau e Hong Kong como países – Foto: Ansa

A grife de luxo italiana Versace e sua diretora artística, Donatella Versace, pediram desculpas neste domingo(11), depois que uma das camisetas da empresa foi amplamente criticada nas redes sociais na China por identificar os territórios autônomos de Hong Kong e Macau como países. Comprada pela companhia norte-americana Capri Holdings, de Michael Kors, a Versace assumiu ter cometido o erro e afirmou que desde 24 de julho parou de vender e distribuir as vestimentas. A nova polêmica envolvendo uma grife italiana ocorreu porque nas camisetas da Versace foram impressos os nomes de várias cidades, incluindo capitais e outros grandes municípios europeus e americanos, com sua determinada nação. Contudo, a lista de pares “cidade-país”, com por exemplo “New York-USA” e “Beijing-China”, colocou Hong Kong e Macau como “Hong Kong-Hong Kong e Macau-Macau”.

Tanto Hong Kong quanto Macau foram designados estados independentes, embora, no final dos anos 1990, as ex-colônias europeias tenham regressado à China. As imagens das roupas foram amplamente divulgadas nas mídias sociais chinesas e provocaram uma imensa polêmica.

“A Versace reitera que amamos profundamente a China e respeitamos resolutamente o território e a soberania nacional da China”, disse a empresa em um comunicado.

Em uma mensagem semelhante em sua conta no Instagram, Donatella também lamentou profundamente “o infeliz erro” e reforçou que “nunca quis desrespeitar a soberania nacional da China”. “É por isso que eu queria pedir desculpas pessoalmente por tamanha imprecisão e por qualquer aflição que isso possa ter causado”, escreveu. A empresa italiana ainda informou que está verificando “ações para melhorar a maneira como operamos dia após dia para nos tornarmos mais conscientes”.

Após o caso, a embaixadora da marca na China, a famosa atriz chinesa Yang Mi, decidiu interromper sua cooperação com a Versace, acusando-a de tentar minar a integridade nacional. “A integridade territorial e a soberania da China são sagradas e invioláveis em todos os momentos”, disse o estúdio da embaixadora, Jiaxing Media, no comunicado.

Esta é mais uma polêmica envolvendo grifes italianas. No ano passado, a Dolce &Gabbana foi acusada de racismo e sexismo na China e precisou até cancelar um desfile em Pudong, distrito de Xangai.

Da AnsaFlash