Estado diz que aguarda CCR Vias para dar início às obras da Ceasa e viabilidade econômica para as demais

Vereador Elias Ishy questiona Governo do Estado sobre obras na rodovia – Foto: Assessoria

O vereador Elias Ishy (PT) questionou o Governo do Estado sobre a instalação da Central de Abastecimento de Alimentos – Ceasa – em Dourados, da construção de um viaduto na BR 463, ligando a Avenida Coronel Ponciano aos vários residenciais da região e também e da pavimentação de um trecho de 800 metros até o Hospital Porta da Esperança.

Diante das respostas enviadas ao gabinete, o parlamentar afirmou que irá encaminhar um pedido de apoio à bancada federal para sinalizar as obras citadas, segundo ele, de relevância as comunidades de áreas densamente povoadas, como do bairro Guaicurus e dos residenciais Dioclécio, Harrison, Esplanada e Chácaras, além da Reserva Indígena.

Ishy acredita também que no caso do asfalto até o Hospital, a prefeitura deve se envolver na ação e buscar diálogo para investimentos no local.

Em resposta da secretaria sobre a Central, consta que na diretoria da Agesul encontram-se apenas os projetos de infraestrutura de entrada a Ceasa e que houve dificuldades para aprovação, pois se trata de uma área que dá acesso a BR 163. Foram apresentadas várias opções para análise da CCR MS Via e todas elas demandaram análise junto a ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres, de acordo com o Governo.

Segundo eles, com a versão mais adequada, foi contratado um projeto executivo que foi protocolado em 25 de fevereiro na CCR Via que encaminharia para aprovação final junto a ANTT. “Estamos aguardando essa aprovação para darmos início às obras”, diz o texto do documento. Assim que obtiverem, eles licitariam as obras de pavimentação. Ainda de acordo com a documentação, a Agraer deve dar mais informações a respeito dos galpões internos ao terreno.

O questionamento do vereador também foi motivado por matérias divulgadas em maio de 2016, nas quais indicava o início da construção para junho do mesmo ano e novembro de 2017 em que o Governo do Estado confirmou licitação para construção, em que iriam investir R$ 9 milhões, bem como ainda a preocupação de agricultores familiares e atacadistas. Em contrapartida, a prefeitura de Dourados investiu R$ 740 mil na compra do terreno.

Com relação à construção de um túnel ou viaduto na BR 463, o Governo afirma “as construções públicas implicam em aporte de investimentos em obras, serviços e equipamentos, que deverão ser verificados se serão compatíveis com a capacidade de investimentos o Estado na época atual”.  Para o Estado, qualquer aporte de recurso irá comprometer a capacidade econômica estatal, bem como a continuidade das obras que estariam em andamento, sem citá-las.

Já para a pavimentação da rua Caiuá, no trecho de 800 metros da perimetral até o Hospital Porta da Esperança, o Governo relata que está envidando esforços no sentido de concluir as já iniciadas no perímetro urbano, além de viabilizar o recapeamento das ruas transversais nas avenidas Weimar Torres, Joaquim Teixeira Alves, Marcelino Pires e a conclusão da segunda etapa da avenida Hayel Bon Faker.