Vacinação antirrábica ‘casa a casa’ continua e CCZ mantém alerta quanto a Aedes aegypti

A vacinação antirrábica ‘casa a casa’ do Centro de Controle de Zoonoses acontece desde a segunda quinzena de maio em Dourados e já chegou a 6 mil animais. Além das visitas às residências, o Centro mantém o ‘ponto fixo’ da vacina aos sábados e as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti. Neste ano a meta é vacinar 55 mil animais.

Cães e gatos de toda a cidade, bem como da área rural e nos distritos estão recebendo as doses. Nesta semana a ação aconteceu nos jardins Monte Líbano, Guanabara e Ouro Verde, nos distrito de Vila Formosa e Macaúba. Nesta quinta-feira, a ação tem sequência no jardim Ouro Verde, vila Icassat, vila São Jorge, e, na sexta-feira, no jardim Piratininga e na região do Guassu.

O objetivo é deixar a cidade livre da raiva humana e animal. Com a visitação, o público que por ventura deixa de levar os animais aos pontos fixos é atendido.

Rosana da Silva Alexandre, coordenadora do CCZ, destaca que para as pessoas que não estejam em casa no momento da visita, é possível vacinar os animais posteriormente no posto fixo ou no CCZ.

“Estamos atuando em toda a cidade e a população tem recebido muito bem a ação. Para quem trabalha durante o dia todo e acabará não recebendo os agentes pode nos procurar no centro ou se informar e comparecer sobre os pontos fixos”, diz.

No sábado (10), o posto fixo da vacina é na Escola Estadual Floriano Viegas Machado, no jardim Ouro Verde. O horário de atendimento será das 7h30 às 17h.

Aedes Aegypti

O combate ao mosquito Aedes Aegypti continua em vários pontos da cidade. O CCZ alerta à população sobre os cuidados quanto à eliminação dos criadouros mesmo com o clima mais ameno.

“Temos que ter essa preocupação, pois os focos do mosquito continuam apesar do verão ter ido embora e isso precisa ser evitado. A população precisa se conscientizar. Nosso trabalho continua com base nos levantamentos realizados na cidade”, disse.

Neste sábado (10), os agentes de endemias realizarão visitas com orientação aos moradores, eliminação e tratamento dos focos e possíveis criadouros do mosquito transmissor de doenças como dengue, febre chikungunua e zika vírus no jardim Água Boa.