UFGD mantém assistência a estudantes durante suspensão do calendário acadêmico

Cestas básicas que foram entregues na Moradia Estudantil – Divulgação

Entre os mais de sete mil estudantes da UFGD, a grande maioria é da cidade de Dourados e mora com a família, ou são jovens que residem com os familiares em cidades próximas e viajam todos os dias para ir à Universidade. Dessa forma, é seguro dizer que a maioria dos alunos da UFGD tem condições de fazer o isolamento social voluntário junto de seus familiares.

No entanto, uma parcela de estudantes da UFGD é oriunda de outros estados e regiões do Brasil e, por isso, vive em repúblicas ou na Moradia Estudantil da Universidade. “Alguns desses estudantes não conseguiram voltar para casa de seus pais e permaneceram na Moradia Estudantil da UFGD ou nas repúblicas, sendo que esses necessitam do nosso apoio de uma forma diferenciada nesse momento”, afirma o pró-reitor de Assuntos Comunitários e Estudantis, professor Mário Sérgio Vaz.

Auxílio emergencial e entrega de alimentos
Em tempos de normalidade, o Restaurante Universitário (RU) da UFGD serve uma média de mil e quinhentas refeições diariamente para a comunidade acadêmica. Para os estudantes que comprovam vulnerabilidade socioeconômica (que são o público-alvo das políticas de assistência estudantil), as refeições custam R$ 3,00, e os demais estudantes pagam um valor de R$ 3,60. A universidade subsidia, respectivamente, R$ 8,00 e R$ 7,40 em cada refeição. Com o fechamento do RU por conta da suspensão do calendário acadêmico ?(confira aqui o texto sobre o funcionamento das atividades da UFGD), muitos dos estudantes assistidos pela Pró-reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis (PROAE) não têm condições de pagar a diferença nos valores cobrados por restaurantes do centro da cidade, nem mesmo têm recursos suficientes para fazer compras em supermercados.

Nesse sentido, a equipe da PROAE esteve na Moradia Estudantil no último sábado, 28 de março, para entregar 33 kits de cesta básica de alimentos aos estudantes, de acordo com o levantamento prévio dos acadêmicos. Cada estudante residente na Moradia Estudantil recebeu uma cesta.

“Cabe lembrar que os alunos ativos na PROAE continuam recebendo a bolsa de assistência estudantil e está em tramitação um auxílio emergencial para contemplar os acadêmicos que se enquadram nos critérios do Plano Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) e que se mantiveram na cidade de Dourados, não conseguindo voltar para a casa de suas famílias. A ideia é oferecer um auxílio para a alimentação neste período de suspensão das atividades no Restaurante Universitário”, informa o pró-reitor.

Outras atividades da PROAE
Mário Sérgio explica, ainda, que apoiar a medida de isolamento social de estudantes e servidores da UFGD não significa que as atividades da pró-reitoria foram interrompidas. A PROAE continua executando uma série de trabalhos e serviços essenciais aos acadêmicos da UFGD.

Estão mantidos todos os trabalhos técnico-administrativos necessários para o lançamento dos pagamentos das bolsas e dos auxílios dos estudantes. “Reforçamos que o pagamento das bolsas e dos auxílios serão mantidos, exceto o auxílio transporte, uma vez que os estudantes não devem ir para a Cidade Universitária neste período”, detalha o professor.

As assistentes sociais da PROAE também estão fazendo trabalho remoto, mantendo as avaliações socioeconômicas dos alunos que entregaram a documentação nos prazos estipulados.

A Moradia Estudantil continua funcionando, com cuidado redobrado e medidas para que seja preservada a saúde dos estudantes que lá se encontram.

A equipe de psicólogas da PROAE está realizando uma série de transmissões ao vivo (lives) nas redes sociais, oferecendo orientações para o bem estar psicológico dos estudantes. Além disso, as profissionais mantêm os atendimentos de plantão e de psicoterapia a distância, por meio do telefone 99295-3410. Os atendimentos remotos são autorizados e regulamentados pela Resolução do Conselho Federal de Psicologia 11/2018.

“A PROAE tem trabalhado para atender as demandas dentro da legalidade, ou seja, ao destinar recursos para bolsas e auxílios nós temos que respeitar todas as normativas internas, bem como, os critérios do PNAES. Mas também atuamos com sensibilidade, afinal estamos passando por um momento muito delicado em que as pessoas da nossa comunidade acadêmica estão necessitando de auxílio institucional. A equipe da PROAE está trabalhando com afinco para dar esse respaldo a quem mais precisa”, reitera Mário Sérgio.