Em 2020, o programa UEMS Acolhe da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) irá oferecer cursos de Português para Estrangeiro em Campo Grande, Dourados, Nova Andradina e Itaquiraí.

Em Campo Grande, o curso será oferecido na UEMS e nos Bairros Guanandi, Coronel Antonino e Rita Vieira. Já em Dourados, serão na Casa de Cultura da UEMS, no centro da cidade e nos Bairros Jardim Água Boa e Jardim Novo Horizonte. Em Nova Andradina será na UEMS e em Itaquiraí, no Bairro Jardim Primavera.

As inscrições para o curso de ‘Português para Estrangeiros: Módulo Acolhimento’ devem ser feitas diretamente nos Pólos em que as aulas são realizadas nos dias e horários especificados no site do Programa (Clique Aqui). Os documentos Necessários para Inscrição são: Cópia de um documento de identificação com foto (Passaporte; CRNM; Carteira de Trabalho); Cópia do comprovante de residência.

Para mais informações sobre a inscrição, entrar em contato pelo e-mail [email protected] ou pelos números abaixo de acordo com a cidade de interesse do participante:

Campo Grande – (67) 99984-6419
Dourados – (67) 99827-2809
Itaquiraí – (67) 98116-6098
Nova Andradina – (67) 99814-2402

UEMS Acolhe

O Programa UEMS ACOLHE – Acolhimento Linguístico, Humanitário e Educacional a Migrantes e Refugiados – é o resultado de uma série de ações de extensão desenvolvidas no âmbito da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul com a finalidade de atendimento diferenciado em diversas áreas do conhecimento a comunidade migrante e refugiada no nosso estado.

O curso tem uma duração de 60 horas e a realizado com aulas semanais em diferentes horários e dias dependendo do pólo em que a aula acontece. “O UEMS Acolhe vem ao encontro da apropriação da língua e inserção cada vez mais rápida dos migrantes e refugiados. Acreditamos que quanto mais eles se apropriam da Língua Portuguesa, mais estarão inseridos socialmente no nosso contexto. Além desse acolhimento linguístico temos outras ações como desenvolvimento de qualificação profissional qualificação educacional, orientação documental para este público e muito mais” explica o professor João Fábio Sanches, coordenador do projeto.

Orteco