Último concurso do órgão nomeou 1.500 candidatos em cargos de níveis médio e superior

O Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT SP) anunciou a realização de um novo concurso para cargos de técnico e analista para a 2ª Região (TRT 2). A decisão foi publicada no dia 14 de novembro no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho (Dejt). Embora haja um concurso em validade, é necessário iniciar os trâmites o quanto antes, pois o processo é demorado.

A abertura dos procedimentos para a realização do certame foi votada na Sessão Administrativa do Órgão Especial, ocorrida no dia 13 de novembro. A autorização foi unânime, apenas com algumas ressalvas. Alguns desembargadores discordaram da necessidade de oferecer vagas para oficial de justiça avaliador federal e técnico na área de segurança por entenderem que o quadro de pessoal nessas funções é suficiente.

O próximo passo é fazer uma análise sobre os cargos ofertados, bem como o número de oportunidades disponíveis. Também será necessário a criação de uma comissão para contratar a banca organizadora do certame. Atualmente, o órgão tem déficit de 222 funcionários, sendo que 123 são de técnicos judiciários e 99 de analistas judiciários. O cargo de técnico judiciário exige Ensino Médio completo e tem uma remuneração inicial de R$ 6.708,53. O analista judiciário, por sua vez, precisa ter Ensino Superior e ganha, no início de carreira, R$ 11.006,83.

Último concurso
O último concurso TRT SP foi realizado em 2013 e tem validade até março e maio de 2018, dependendo do cargo e da especialidade. Na ocasião, foram disponibilizadas 329 vagas, além de cadastro reserva. Os candidatos com Ensino Médio puderam concorrer a postos para técnico judiciário na área administrativa, na área administrativa com especialidade em segurança e na área de apoio especializado com especialidade em tecnologia da informação e enfermagem.

Para nível superior, as oportunidades foram para analista judiciário na área judiciária, na área administrativa, na área judiciária com especialidade em oficial de justiça avaliador federal e na área de apoio especializado com especialidade em tecnologia da informação, medicina, medicina do trabalho, psicologia, enfermagem, arquivologia e segurança do trabalho.

Apesar do órgão ter disponibilizado 329 vagas, o número total de nomeados foi de 1.531 candidatos. Os cargos com mais nomeações foram técnico judiciário na área administrativa e analista judiciário na área judiciária, com 885 e 300 nomeações, respectivamente.

A banca organizadora do último concurso foi a Fundação Carlos Chagas (FCC). O processo seletivo foi composto por prova objetiva com questões de conhecimentos gerais e específicos. Para o cargo de analista judiciário, ainda foi aplicada uma prova discursiva de redação.