TER/MS manteve, por 5 votos a 1, sentença do juiz eleitoral Jonas Hass da Silva Júnior que extinguiu a ação que pedia a cassação da prefeita Délia Razuk – Foto: Assecom
TER/MS manteve, por 5 votos a 1, sentença do juiz eleitoral Jonas Hass da Silva Júnior que extinguiu a ação que pedia a cassação da prefeita Délia Razuk – Foto: Assecom

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso do Sul manteve no meio da tarde de hoje, por 5 votos a 1, a sentença do juiz eleitoral Jonas Hass da Silva Júnior que extinguiu a ação que pedia a cassação da prefeita Délia Razuk (PR). O recurso ao TRE foi proposto pela coligação Compromisso com a Verdade, que teve o deputado federal Geraldo Resende (PSDB) como candidato a prefeito nas eleições municipais do ano passado. Não cabe mais recurso da decisão.

A informação foi repassada ao Diário MS pelo advogado da prefeita, Wander Medeiros, que já havia defendido a causa durante o julgamento em Dourados.

A ação foi protocolada depois que o resultado da eleição foi homologado. A coligação de Geraldo sustentava que a coligação de Délia cometeu crimes eleitorais como a utilização de servidor da Assembleia Legislativa na campanha e ilegalidade na captação de recursos.

Com o julgamento da tarde de hoje fica mantida a sentença onde o juiz da 43ª Zona Eleitoral, Jonas Hass Silva Júnior, extinguiu a ação sem o julgamento do mérito por entender que não houve ilegalidade na captação de recursos na ordem de R$ 100 mil para a campanha de Délia Razuk.

Jonas Hass da Silva Júnior entendeu que na verdade tratou-se de erro material da requerida quando da entrega de sua declaração de imposto de renda à Receita Federal. “Fato este que foi sanado em momento posterior, através da entrega da declaração retificadora”, afirmou na sentença.