Transmitida pelo contato, conjuntivite tem várias causas e tratamento ideal precisa de avaliação médica

À primeira vista, o problema não aparenta ser grave. Mas, o que começa com uma pequena irritação nos olhos pode evoluir para uma intolerância a luz, dor, inchaço, vermelhidão, secreção e dificuldade em enxergar. Muito incidente no verão, a conjuntivite é uma das doenças mais comuns transmitidas pelo contato direto ou indireto, quando a proximidade e aglomeração de pessoas facilitam o contágio.

A oftalmologista Maysa Gutierrez Vilela afirma que cerca de 80% das conjuntivites infecciosas são virais. “Existem vários tipos de conjuntivite. Pode ser viral, fúngica, bacteriana ou alérgica, mas a maior parte é viral. Normalmente, a infecção é autolimitada, ou seja, em uma semana os sintomas terminam. Esse é o ciclo do vírus comum”, afirma Vilela.

Há outras formas mais perigosas da doença que podem deixar sequelas, como a herpes simples e zoster, além do adenovírus. “O adenovírus da conjuntivite deixa os olhos vermelhos, inchados, embaçados e pode evoluir para um quadro crônico se não for bem conduzido. Às vezes forma uma membrana nos olhos que deve ser removida pelo Oftalmologista. Os sintomas duram até um mês e se for tratado indevidamente pode aumentar o tempo de doença”, explica a oftalmologista.

Para diminuir as chances de contágio, o ideal é evitar o toque excessivo nos olhos, principalmente após a permanência em locais com muito fluxo, como transporte público, creches e escolas. Caso algum sintoma apareça, é essencial a avaliação de um médico. “É importante que um médico avalie o quadro, cada caso de conjuntivite requer tratamento adequado e a infecção pode complicar se não for tratada”, frisa.

Saiba mais sobre os sintomas:

Conjuntivites virais e bacterianas

  • Começam por um dos olhos e depois, de três ou quatro dias, acometem o outro;
  • Deixam os olhos vermelhos;
  • Formam lacrimejamento em excesso

Conjuntivite alérgica

  • comichão nos olhos e pálpebras;
  • olhos úmidos;
  • olhos vermelhos;
  • sensação de queimação e vermelhidão ao redor dos olhos;
  • inchaço das pálpebras;
  • visão turva;
  • sensação de corpo estranho no olho;
  • vontade de esfregar os olhos;
  • olhos secos;
  • formação de secreção no canto do olho;
  • lacrimejamento.