Termina sequestro na fronteira, e garoto Pedrinho já está em casa

Autores do sequestro sentiram a pressão policial e libertaram o garoto – Foto: Divulgação PC
Autores do sequestro sentiram a pressão policial e libertaram o garoto – Foto: Divulgação PC

Terminou por volta das 23h30 desta noite fria de quinta-feira (17), o sequestro do menino Pedro Urbieta de Souza, de 12 anos, filho do empresário Alexandre Reichardt de Souza, que havia sido sequestrado por volta das 6h30 quando saía de casa em direção a escola e foi interceptado pelos sequestradores que estavam em um veículo branco, informa reportagem do portal pontaporainforma.

Segundo o delegado de Polícia Civil, Dr. Rodolfo Daltro, os sequestradores haviam feito dois contatos no início da tarde, em seguida não teve mais contato com a família, o que causou certa estranheza por parte das autoridades policiais tanto do Brasil como também de Pedro Juan Caballero, Paraguai. Os autores do sequestro sentiram a pressão das forças policiais que estavam empenhados em encontrar o cativeiro onde poderia estar o garoto, e em um ato de surpresa levaram o garoto Pedrinho até a periferia da cidade de Pedro Juan Caballero onde o soltaram.

Em seguida, Pedrinho conseguiu uma carona e foi levado até a comissaria 6ª onde foi entregue as autoridades paraguaias, que imediatamente entraram em contato com os seus familiares que foram até o local para buscá-lo.

Dr. Rodolfo Daltro disse que o resgate não foi pago, e que isso foi uma grande vitória porque ficou demonstrado que o trabalho de busca pela localização de Pedrinho chamou a atenção dos sequestradores que acharam por bem libertar o menino.

Trabalharam na investigação agentes da Polícia Civil de Ponta Porã, com auxílio do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco e Resgate) e agentes das forças policiais do Paraguai. Não houve confronto.

Pedrinho foi recebido em sua residência por familiares e amigos com muita alegria e comemoração. Os pais agradeceram o apoio de toda a comunidade, que fizeram orações e campanhas para que o garoto voltasse para casa são e salvo.