Madson considera retrocesso medida para desabilitação plena da saúde – Foto: Assessoria

O vereador Madson Valente (DEM) classificou as recentes declarações da gestão municipal, sobre a desabilitação plena da saúde, como algo que deva ser repensado.

Esta gestão plena, de acordo com Madson, faz de Dourados uma referência para 34 municípios do Estado, sendo uma estrutura que foi construída ao longo da história, ao receber recursos maiores do SUS (Sistema Único de Saúde) para promover estes atendimentos.

“Se deixarmos de ser referência para os outros municípios, será um retrocesso enorme para Dourados, pois é engano imaginar que a nossa população será mais bem atendida, visto que deixaremos de receber recursos e submeteríamos a população a outra referência, que seria, no caso, Ponta Porã, Nova Andradina ou Campo Grande. Imaginem as situações que seriam criadas. Imagine a logística para isso”, comentou o vereador.

“Quantas ambulâncias ou outros tipos de transporte seriam necessários? Isso é inconcebível! Não podemos permitir tamanha perda para a nossa população. Verdade que precisamos melhorar nossa estrutura e nossa gestão, pois os recursos são escassos. Esperamos uma reavaliação deste propósito”, completou o Madson.

O parlamentar considera que a vinda do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a Dourados demonstra a gravidade da situação para a população. Ele ainda aponta que os problemas na saúde douradense são generalizados, indo desde a baixa complexidade até a alta, sendo um sistema em iminência de falência. “É preocupante. Faltam remédios, exames, há postos sem médicos, regiões inteiras sem cadastro, UPA (Unidade de Pronto Atendimento) superlotada, o Hospital da Vida possui inúmeros problemas. Esperamos que a vinda do ministro possa dar um alento para os douradenses e para os usuários do SUS de nossa região”, finalizou Madson.