A Seleção Brasileira não foi bem nos dois primeiros amistosos de 2019. Apesar da vitória sobre a República Tcheca, a equipe de Tite não mostrou bom futebol e deixou alguns torcedores preocupados com a Copa América. O esquema tático se mostrou deficiente na criação de jogadas, principalmente no meio de campo. Além disso, o empate contra o Panamá tirou os 100% de aproveitamento que o treinador tinha depois do Mundial.

Foram dois amistosos fora de casa, e com várias novidades na escalação. Em Portugal, a Seleção enfrentou o Panamá e não conseguiu sair de um empate por 1 a 1. Mesmo com 78% da posse de bola, a armação de jogadas não funcionou. Philippe Coutinho, principal cérebro da equipe, pouco apareceu e já preocupa pela má fase. Segundo o jornal português A Bola, o jogador já vem sofrendo com críticas no Barcelona, inclusive com rumores de uma possível transferência.

Lucas Paquetá, uma das novidades do time, marcou o único gol brasileiro na partida. Porém, o meia também ficou abaixo do esperado e foi pouco efetivo. Arthur e Richarlison até mostraram algum esforço, mas não conseguiram passar da marcação panamenha. Até mesmo o sistema defensivo, principal especialidade de Tite, sofreu com críticas. Com Fagner, Militão, Miranda e Alex Telles na linha de trás, o Brasil pecou na bola aérea e acabou pagando com um gol adversário.

Já em Praga, o Brasil visitou a República Tcheca e conseguiu uma vitória por 3 a 1, com dois gols de Gabriel Jesus. Porém, o placar engana o que foi o jogo, já que o empate só saiu do marcador aos 38 minutos da etapa final. A Seleção Brasileira voltou a ser ineficiente e não conseguiu empolgar os torcedores, com Paquetá e Coutinho apagados em campo. O time cometeu as mesmas falhas do primeiro jogo e voltou a sentir falta de Neymar, que ainda se recupera de lesão.

Da Gazeta Esportiva