Estudo mostrou que a temperatura do planeta subiu 1 grau Celsius – Foto: Reprodução/iStock

A Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) revelou nesta quarta-feira (6) que 2018 foi o quarto ano mais quente da história, desde que as medições das temperaturas globais começaram a ser realizadas, em 1880.

As temperaturas globais do ano passado excederam a média registrada entre 1951 e 1980 em 0,83 graus Celsius, segundo informou os cientistas do Instituto Goddard de Estudos Espaciais (GISS).

O ano de 2018 só ficou atrás de 2016, 2017 e 2015. No total, os últimos cinco anos foram os mais quentes da era moderna. A Nasa também informou que 18 dos 19 anos mais quentes começaram a partir de 2001.

“2018 é mais um ano extremamente quente dentro de uma tendência de aquecimento global de longo prazo”, disse Gavin Schmidt, diretor do GISS.

Ainda de acordo com Schmidt, o aquecimento ganhou mais força pelo aumento das emissões de dióxido de carbono na atmosfera, além de outros gases produzidos pelos humanos.

O estudo também revelou que a partir de 1880, a temperatura da superfície do planeta aumentou 1 grau Celsius.

“Os impactos do aquecimento global de longo prazo já estão sendo sentidos – em inundações costeiras, ondas de calor, precipitação intensa e mudanças nos ecossistemas”, informou Schmidt.

O especialista também lembrou que a perda de massa das geleiras na Groênlandia e na Antártida continuou a contribuir para o aumento do nível do mar.

O relatório mostra que o aquecimento global não é mais um problema do futuro, mas algo que o mundo já enfrenta atualmente.

Da AnsaFlash