Saúde anuncia continuação da vacinação contra a gripe em Dourados

Gestantes, índios e crianças de até 5 anos seguem como prioridade, e crianças com até 9 anos e adultos de 50 a 59 também passam a receber a dose

Ainda existem doses nos postos de saúde, e pessoas inseridas nos grupos de risco devem se vacinar – Foto: A. Frota

Após a orientação do Ministério da Saúde para que os municípios que tiverem doses disponíveis de vacina contra a gripe continuem a vacinação após a Campanha Nacional de imunização contra a Influenza, a Prefeitura de Dourados, através da Secretaria Municipal de Saúde, comunicou a continuidade dos trabalhos no município, com ênfase a três grupos de risco e extensão a mais duas faixas etárias.

Segundo Edvan Marcelo Morais Marques, diretor do Departamento de Vigilância em Saúde, continua a vacinação para os grupos de risco de gestantes, crianças de até 5 anos e indígenas. As novas faixas etárias que tiveram extensão da campanha são de crianças de 5 a 9 anos, e adultos de 50 a 59 anos.

“Tivemos reunião na segunda-feira para falar sobre os números e deliberar sobre esta orientação do Ministério da Saúde. Como temos doses ainda, continuamos os trabalhos”, disse Edvan. Os postos continuam recebendo as pessoas durante horário comercial, das 7h às 11h e das 13h às 17h.

Até a semana passada, 82% das pessoas inseridas nos grupos de risco haviam se vacinado em Dourados. A orientação do Ministério da Saúde ocorre após o término da Campanha Nacional de Vacinação para públicos prioritários, que teve início em 23 de abril. Brasil afora, 83% do público-alvo se vacinou.

As autoridades em saúde reforçam a importância da proteção com a chegada do inverno, período de maior circulação dos vírus da gripe, e em Dourados, pelo agravante de um período de inverno seco e com temperaturas mais elevadas contrastando com frio durante o dia.

A escolha dos grupos prioritários para a vacinação contra a gripe segue recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Essa definição também é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.