Reinaldo critica tentativa de forças políticas de ‘amordaçar’ os vereadores

Reinaldo discursa no seminário na Assomasul - Foto: Edson Ribeiro
Reinaldo discursa no seminário na Assomasul – Foto: Edson Ribeiro

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) fez duras críticas à tentativa de ‘forças políticas’ para enfraquecer os legislativos municipais, extinguindo, por exemplo, as chamadas verbas indenizatórias e outras atribuições constitucionais das Câmaras Municipais.

Ao discursar na manhã desta quinta-feira (17) durante seminário promovido pela UCVMS (União das Câmaras de Vereadores de Mato Grosso do Sul), na Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, o governador pediu a união de esforços, independentemente de ideologias político-partidária, no sentido de impedir a influência externa na autonomia do Poder Legislativo.

Reinaldo foi bastante aplaudido por uma platéia formada em sua maioria por vereadores, prefeitos e secretários municipais ao condenar o fim das verbas indenizatórias, as chamas diárias, no âmbito legislativo.

“Só quero pedir uma coisa a cada um de vocês. Essa movimentação orquestrada de enfraquecimento do legislativo merece uma unidade de todos nós. Hoje tem gente querendo acabar com a verba indenizatória. Isso é uma coisa orquestrada para dizer como o vereador tenha diária”, disparou.

O tucano não poupou críticas à atuação do Ministério Público em algumas cidades de Mato Grosso do Sul por tentar restringir a atuação dos vereadores.

“Infelizmente, tem alguns municípios que eu já vi o Ministério Público dizer que a função do vereador não é sair da cidade para buscar emenda em Brasília ou aqui na Capital. Isso se chama mordaça que querem impor ao Poder Legislativo do nosso Estado”, advertiu o governador sob aplausos.

Ainda em seu discurso, Reinaldo disse que não teve a oportunidade de ser vereador, mas ocupou cargos de deputado estadual e deputado federal e sabe quais as atribuições e as necessidades legislativas.

“Se não tiver uma unidade do corpo jurídico para nós trabalharmos juntos essas questões, vocês podem ter certeza, isso é algo para enfraquecer o legislativo, que é a Câmara de Vereadores. Vocês podem internamente ter uma briga de um contra o outro, mas se não tiver todo mundo unido nessa causa, que é uma causa do Poder Legislativo, vocês podem ter certeza, a gente vai começar a ter algumas derrotas em nível das instâncias superiores, porque eles querem acabar com as diárias, querem acabar com a verba indenizatória, querem acabar com a possibilidade de você ter um servidor condicionado para atender a demanda do vereador, isso é normal em qualquer democracia do mundo”, colocou.

O governador qualificou de hipocrisia dizer que isso só acontece no Brasil.

“Isso não é verdade. Todas as democracias constituídas do Brasil e no mundo têm o fortalecimento do Poder Legislativo. Infelizmente, no Brasil, eles enxergam isso como se fosse a culpa hoje do déficit e querem jogar no colo do Poder Legislativo, e vocês não podem aceitar isso. No que depender do nosso apoio, nós estamos à disposição para lutar, nessa luta pelo fortalecimento do Poder Legislativo em nível municipal, estadual e federal”, acrescentou.