Hospital Regional atende a população dos oito municípios da região sul do Estado – Foto: Camila Kaveski

O Hospital Regional de Ponta Porã, Dr. José de Simone Netto, dobrou a quantidade de cirurgias e o número de atendimentos nos meses de abril e maio deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Só de cirurgias eletivas, o número saltou de 73 em 2018 para 178 procedimentos em 2019 – entre abril e maio. Além disso, a unidade reativou dois leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e duas salas cirúrgicas.

Os números positivos contabilizam ainda mais de 40 mil procedimentos ambulatoriais em abril e maio deste ano, o que representa mais de 40% de crescimento em relação ao mesmo período de 2018. Os procedimentos incluem diagnósticos clínicos, exames, consultas ambulatoriais e atendimentos de urgência e emergência.

Já as internações dispararam saindo 924 para 1.455 nas especialidades de Clinica Médica, Ortopedia, Cirurgia Obstétrica e Pediatria, além dos casos de UTI adulto.

O Hospital Regional atende a população dos oito municípios da região sul do Estado e conta com 107 leitos, sendo 29 destinados a Clínica Cirúrgico-Ortopédica, 20 para a maternidade, 16 leitos na Clínica Pediátrica e 32 na Clínica Médica. A unidade também possui 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva.

Em consonância com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), o hospital está sob a gestão da Organização Social Instituto Acqua desde março desse ano. A empresa já conseguiu melhorias na produção, ampliação dos atendimentos e oferta de exames. Em apenas dois meses, com a recuperação do telhado, foram reativadas duas salas cirúrgicas e dois leitos de UTI, sendo que um deles estava fechado há 18 meses.

Números

Em comparativo realizado com o mesmo período de 2018 houve aumento de 143% nas cirurgias eletivas e aproximadamente 60% nas internações hospitalares. A gestão passada havia realizado 73 eletivas e, sob administração do Instituto Acqua, somaram 178 procedimentos.

“Assumimos a gestão do hospital com duas salas cirúrgicas desativadas há mais de seis meses. Tínhamos graves problemas estruturais como infiltrações, goteiras e equipamentos sem funcionamento por falta de manutenção. Em apenas quinze dias de nova gestão cuidamos de toda a manutenção. Adquirimos os equipamentos necessários que faltavam e reativamos salas cirúrgicas, leitos de UTI, ampliamos a oferta de exames e incluímos exames de endoscopia, teste da orelhinha e linguinha, inéditos na unidade”, conta o diretor-geral do hospital, Demetrius do Lago Pareja.

Em abril e maio de 2019 foram contabilizados mais de 40 mil procedimentos ambulatoriais, que representa mais de 40% de crescimento em relação ao mesmo período de 2018.

Marluce Cavalheiro Pereira Aleixo acompanhou o filho, Lucas Pereira Aleixo, 15 anos, que foi reanimado na emergência por conta de uma crise de asma. Ela elogiou a agilidade no atendimento. “Sou muito agradecida pelo atendimento que recebemos no Hospital Regional de Ponta Porã. Meu filho chegou desfalecido na emergência do hospital. A equipe de médicos e enfermeiros realizou a reanimação. Agradeço a todos os profissionais. Fomos bem assistidos desde o início até a saída”, contou.

Para Eliel dos Santos Espíndola, que esteve internado no Hospital Regional de Ponta Porã, o diferencial está na humanização. “Fui internado com sintomas de dengue hemorrágica e precisei ficar na UTI para me recuperar. A equipe de enfermeiros e médicos me deu todo o suporte necessário, me senti seguro durante o tratamento. Já fiquei internado aqui há três anos e verifiquei uma melhora no atendimento, na estrutura física e nos funcionários do hospital, estão mais receptivos”, comentou.

No Centro Cirúrgico são realizadas cirurgias de médio e pequeno porte e Pronto Atendimento em regime de livre demanda ou referenciada. Entre abril e maio deste ano, 275 pessoas foram operadas. Sob administração passada haviam sido realizadas 172 cirurgias compreendidas no mesmo período.

Equipamentos de ponta – Em abril, a unidade recebeu novos equipamentos para diversos setores. A medida efetivou a reabertura dos leitos paralisados pela administração anterior. Os equipamentos foram distribuídos entre o centro cirúrgico, UTI e Pronto Socorro. A lista foi contemplada com ventiladores mecânicos, monitores multi-paramétricos, cardioversores, aspiradores cirúrgicos, aparelho de eletrocardiograma, respiradores de transporte, bisturis e aparelho de anestesia.