Projeto Terra Produtiva envolve 500 famílias da Reserva de Dourados em culturas de subsistência

Prefeita Délia Razuk participou do início do programa Terra Produtiva na Reserva Indígena de Dourados – Foto: Assecom

A prefeita Délia Razuk participou, na manhã desta segunda-feira (23), do início das ações de preparo do solo para o plantio como parte na força-tarefa desencadeada pelo programa ‘Terra Produtiva’, iniciativa das Secretarias de Agricultura Familiar e de Assistência Social da Prefeitura.

O plantio de culturas de subsistência, respeitando e resgatando a cultura alimentar indígena, pretende envolver em torno de 500 famílias da Reserva de Dourados, em conjunto com a Coordenadoria Especial de Assuntos Indígenas, Guarda Municipal, Funai, MPF (Ministério Público Federal), Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena) e a UFGD.

A seleção das famílias atendidas nessa força-tarefa foi realizada por intermédio dos agentes de saúde da Sesai e técnicos do Cras (Centro de Referência de Assistência Social) da aldeia indígena e, nesses primeiros cinco dias do programa, até sexta-feira (27), serão mobilizados 10 tratores agrícolas e implementos.

A meta é preparar em torno de 50 hectares por dia de uma área total estimada em cerca de 250 hectares onde serão plantados milho, mandioca, abóbora e culturas relacionadas com a tradição cultural das etnias Guarani e Kaiowá que habitam a Reserva.

O ‘Terra Produtiva’ é um programa pensado a partir dos estudos realizados pelo Consea (Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional), em conjunto com a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) após visitas realizadas, em 2016, à Reserva de Dourados, quando foi diagnosticada, no fator considerado como violação de direitos, a perda gradual da cultura alimentar, com a quantidade insuficiente de alimentos distribuídos nas cestas que eram entregues aos indígenas, resultando na ocorrência de perda de peso em relação à idade, especialmente entre as milhares de crianças das aldeias.

De acordo com o secretário Marcos Roberto Soares, da Agricultura Familiar, a força-tarefa pretende executar esse plano inicial de metas com projeção de obter resultados concretos sincronizados com alvos perseguidos na elaboração da agenda da ONU (Organização das Nações Unidas) que definiu, entre os 17 ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável), a erradicação da pobreza em todas as suas formas e dimensões nos próximos 15 anos.

“Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar, melhorar as condições nutricionais e promover a agricultura sustentável são alguns dos desafios que decidimos assumir e a prefeita Délia Razuk já manifestou, publicamente, no contato praticamente diário que mantém com essas comunidades, o desejo de fortalecer os vínculos com nossos irmãos indígenas”, observa o secretário Marcos Roberto.