Presidente Joe Biden deve ampliar sanções contra Cuba após protestos

Democrata mantém política de Donald Trump contra ilha

Decisão vem após protestos em Cuba – Foto: ANSA

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deve ampliar as sanções contra o governo cubano após os protestos registrados na ilha nos últimos dias, informam diversos veículos de imprensa norte-americana nesta quinta-feira (22).

Segundo o jornal “The Washington Post”, as punições devem ser dirigidas contra um pequeno grupo de funcionários acusados de violações de direitos humanos, contra o Ministério do Interior e alguns líderes militares.

Na noite desta quarta-feira (21), o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, afirmou a um grupo de jornalistas que o governo “está confiante em ter mais espaço” para anunciar novas punições contra os cubanos. “Estamos explorando opções com o setor privado e o Congresso nesse sentido”, acrescentou.

No entanto, em nenhum momento, foi citada a possibilidade de remover o embargo comercial norte-americano contra o país, em vigor desde o fim da década de 1950, e que causa diversos problemas graves em Cuba.

Em 2016, durante o governo de Barack Obama – do qual Biden era o vice – houve uma grande expectativa para que os EUA e Cuba voltassem a normalizar suas relações diplomáticas. Porém, durante o governo de Donald Trump, muitas das medidas de reaproximação foram revogadas e houve um aumento nas restrições e imposições econômicas por parte de Washington.

Apesar de muitos analistas apontarem que Biden poderia voltar a rever a questão de maneira mais aberta, o democrata manteve a linha dura de Trump e, como apontam fontes, deve endurecer ainda mais contra Havana.

Por sua vez, o governo cubano acusa os norte-americanos de estarem por trás das manifestações ocorridas nas últimas semanas, onde milhares de cidadãos foram às ruas protestar por conta da grave crise econômica vivida atualmente.

Da AnsaFlash

DEIXE UM COMENTÁRIO/RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.