Presidente da Assembleia Legislativa participa de assinatura de termo para o Projeto Parlamento Jovem

Termo de parceria entre a ALMS e a Prefeitura de Campo Grande foi assinado na tarde desta segunda-feira, 07 - Foto: Wagner Guimarães
Termo de parceria entre a ALMS e a Prefeitura de Campo Grande foi assinado na tarde desta segunda-feira, 07 – Foto: Wagner Guimarães

Um termo de parceria entre a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul e a Prefeitura Municipal de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), foi assinado na tarde desta segunda-feira, 07.

O objetivo é a participação das escolas municipais no Projeto Parlamento Jovem, da Escola do Legislativo Senador Ramez Tebet, que antes era destinado apenas a alunos do Ensino Médio de escolas públicas e particulares, se estendendo agora aos dois últimos anos do Ensino Fundamental, séries ministradas pelas escolas do município.

O presidente da Casa de Leis, deputado Junior Mochi (PMDB), explicou o objetivo do convênio celebrado nesta tarde. “Pela sexta vez a Assembleia realiza o Parlamento Jovem, e é a primeira vez que nós abrimos para a participação dos alunos dos oitavos e nonos anos do Ensino Fundamental, com isso os alunos poderão se candidatar na sua escola, participar do processo eleitoral e até serem eleitos para participarem do mandato enquanto parlamentares jovens junto à Assembleia Legislativa. O objetivo do Parlamento Jovem é formar e capacitar os jovens para o exercício da atividade política, despertando neles a consciência política e a importância e senso de liderança junto à sua escola e junto a sua comunidade. É uma satisfação para a Assembleia Legislativa celebrar este convênio com a Secretaria Municipal de Educação”, ressaltou Mochi.

A coordenadora da Escola do Legislativo Senador Ramez Tebet, Cheila Vendrami, falou da ampliação do projeto. “O Parlamento Jovem Sul-Mato-Grossense, nesta edição, que é a sexta, amplia a participação dos estudantes. Antes apenas estudantes do Ensino Médio participavam, agora agregamos o Ensino Fundamental com os oitavos e nonos anos. A participação dos alunos mais jovens ainda é primordial para que eles possam, na escola, junto com os profissionais da educação, discutir a cidadania e a questão da participação política, não necessariamente partidária, mas a participação na busca de atender as suas comunidades, de observar o que tem de problemas em sua região, e terem a vontade, em se tornando deputados estudantes, de levar à Assembleia Legislativa suas proposições. Neste sentido agregar a Rede Municipal qualifica o Parlamento Jovem sul-mato-grossense”, revelou.

O secretário municipal do Governo e Relações Institucionais da Prefeitura Municipal de Campo Grande, Antônio Cézar Lacerda Alves, representou o prefeito municipal neste ato. “Nós acreditamos que se houver o investimento no jovem, ele será o futuro da nação. Parabenizo a iniciativa do Parlamento Jovem pois acredito em mudanças e atualmente vivemos uma ausência de lideranças no mundo. A capacitação dos jovens se faz necessária. Somos parceiros da Assembleia Legislativa em tudo que seja benéfico para a Cidade Morena”, assegurou.

Elza Fernandes Ortelhado, secretária-adjunta da Semed, enalteceu a participação das escolas municipais no Parlamento Jovem, “Quero agradecer a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul por nos dar a oportunidade de fazer parte deste projeto que, tenho certeza, fará a diferença na vida de cada participante. Agradeço também aos professores aqui presentes que abraçarão mais um desafio”, enfatizou a secretária.

Parlamento Jovem– Instituído pela Resolução 026/2005, teve a sua 1ª edição foi em 2007, e atualmente o Parlamento Jovem é constituído de 24 deputados estudantes titulares e 24 suplentes, eleitos entre os alunos do 8º e 9º anos do ensino fundamental e do 1º e 2º anos do ensino médio, matriculados e frequentes nos estabelecimentos de ensino de Campo Grande. Os objetivos do projeto são formar e promover a consciência política e a liderança entre os adolescentes. O projeto também tem a parceria da Secretaria de Estado de Educação (SED) e do Tribunal Regional Eleitoral (TRE).