Presidente da ALMS é homenageado com a Medalha do Centenário da Santa Casa

Junior Mochi foi um dos homenageados com a outorga da Medalha em comemoração aos 100 anos da Associação Beneficente de Campo Grande - Santa Casa - Foto: Victor Chileno
Junior Mochi foi um dos homenageados com a outorga da Medalha em comemoração aos 100 anos da Associação Beneficente de Campo Grande – Santa Casa – Foto: Victor Chileno

O presidente da Assembleia Legislativa, o deputado Junior Mochi foi um dos homenageados com a outorga da Medalha em comemoração aos 100 anos da Associação Beneficente de Campo Grande – Santa Casa. A programação contou ainda com a entrega de títulos de associados honorários e instituição do memorial “Camilo Boni” e do lançamento do livro “Santa Casa Patrimônio de Mato Grosso do Sul 1917-2017”, que relata a trajetória do hospital nestes 100 anos de existência.

Mochi relatou a importância dessa homenagem e a honra de participar desse momento. “É uma grande satisfação participar da comemoração dos 100 anos da maior unidade hospitalar do nosso Estado e dividir essa homenagem com os demais 23 deputados estaduais e claro, poder ter a honra de rever amigos que contribuíram também para a história da Santa Casa” afirmou.

Entre os demais agraciados estavam deputados federais, senadores e representantes de entidades. Em nome dos 3,3 mil funcionários e 600 médicos da instituição, Joana Ávila Corrêa, a dona Joaninha, recebeu a Medalha do Centenário aos 73 anos e após 42 de serviços prestados ao hospital. “A Santa Casa é a minha vida”, disse Joaninha, muito querida por todos.

O presidente da ABCG-Santa Casa, Esacheu Nascimento, fez uma retrospectiva dos desafios e conquistas do hospital ao longo dos 100 anos. “Foram muitas as dificuldades enfrentadas ao longo do tempo, mas entendemos que os problemas andam de mãos dadas com as oportunidades e sempre contamos com a parceria constante de doadores e dos políticos do nosso Estado”, disse, agradecendo também as emendas parlamentares que asseguram recursos à unidade hospitalar todos os anos.

Segundo ele, os investimentos em reformas e aperfeiçoamento de procedimentos internos possibilitaram a redução do índice de infecção hospitalar de 17% para 6% e a meta é chegar aos 3%. São realizados no hospital mais de sete mil procedimentos cirúrgicos por mês, em 23 especialidades médicas. Números que colocam o hospital em terceiro lugar no ranking das Santas Casas do Brasil, ficando atrás somente de São Paulo e Porto Alegre. Atualmente, o hospital recebe aproximadamente R$ 18,5 milhões por mês pelos serviços prestados ao Poder Público, via Sistema Único de Saúde (SUS). Contudo, o déficit mensal é de R$ 3 milhões.