A Prefeitura de Dourados vai começar a pagar ainda nesta semana o 13º salário dos servidores municipais, das áreas da Saúde e da Educação. A informação é do secretário municipal de Fazenda, João Fava Neto. Segundo ele, não será possível pagar a totalidade do funcionalismo, por conta da crise financeira que já é do conhecimento dos servidores e da população em geral.

Fava atribui a dificuldade ao advento dos PCCRs (Planos de Cargos, Carreiras e Remuneração) das diversas categorias do funcionalismo, aprovados no ano passado e que gerou um acréscimo de R$ 64 milhões na folha salarial de 2017.

“Lutamos com muito esforço todo este ano para que essa situação não acontecesse, mas Dourados, como muitas outras cidades e Estados do país, vive uma realidade muito árida. A grande imprensa tem mostrado Estados e municípios fazendo empréstimos para quitar a folha salarial do funcionalismo. Mantivemos contatos com bancos, em busca de financiamentos para o 13º, contudo, a rede bancária não abriu portas a Dourados, pois a carteira da prefeitura foi vendida pela gestão anterior, de 2016 até 2019, o que faz com que os bancos não tenham interesse em uma negociação”, explica Fava Neto.

Conforme o secretário, com recursos do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) será pago o 13º de 2.655 professores e, com recursos da MAC (Média e Alta Complexidade), do Governo Federal, será possível pagar os profissionais da área da saúde, num total de 1.072, que recebem até R$ 3.400,00 líquidos.

O secretário de Fazenda salienta o esforço da administração no sentido de colocar o pagamento em dia em curto espaço de tempo, “mas não podemos deixar de manter o equilíbrio financeiro, cumprir leis e não perder a capacidade de investimento em obras e programas sociais e de promover o progresso e o bem-estar da cidade”.